Rádio Observador

Autoridades Locais

Câmara de Sintra cria sentido único no acesso ao centro histórico

A circulação rodoviária no centro histórico de Sintra vai passar a fazer-se através de sentido único, a partir de hoje, na zona junto ao antigo Museu do Brinquedo, anunciou a autarquia sintrense.

In

Segundo avançou a câmara, em comunicado, o trânsito passa a circular, a partir de 19 de março, em sentido único desde o entroncamento da Avenida Visconde de Monserrate com a Volta do Duche até à Praça da República, junto ao Palácio Nacional de Sintra.

mapa

“Esta primeira intervenção visa reduzir pontos de conflito, esperando-se que melhore a fluidez e a segurança de circulação, de veículos e de peões”, comentou à Lusa o vereador do Trânsito e Mobilidade Urbana, Luís Patrício (PSD).

O autarca acrescentou que, “em simultâneo, criam-se também melhores corredores pedonais e otimiza-se a localização das paragens de transportes”, enquanto é elaborado o estudo para uma intervenção “mais profunda, que se prevê implementar até ao 1º trimestre de 2016”.

A medida visa a “melhoria da mobilidade e aumento da área disponível para circulação pedonal com mais conforto e segurança dos peões”, com criação de uma paragem de transportes públicos e ordenamento do estacionamento junto ao pelourinho, explicou a nota camarária.

A intervenção inserida no plano de revitalização do espaço público teve início com a recuperação do pavimento junto ao pelourinho e ao antigo hospital, seguido do “reordenamento da interseção da Rua Visconde de Monserrate com a Volta do Duche”.

Os automobilistas passam a ter de circular em sentido único no Largo Gregório de Almeida (pelourinho) e na Praça da República (palácio e igreja de São Martinho).

Para regressar da vila pela Volta do Duche, que mantém os dois sentidos só até ao antigo Museu do Brinquedo, será preciso seguir pela Rua Consiglieri Pedroso (junto ao posto de turismo) e percorrer o caminho para São Pedro, com inversão de marcha no Largo Sousa Brandão (contornando o centro de informação da Parques de Sintra-Monte da Lua) e descida pela Av. Visconde de Monserrate (em frente ao Palácio Valenças).

Em alternativa será possível tomar a direção do Hotel Tivoli, contornar o Palácio Nacional, descer pela Calçada Rio do Porto (passando pelo parque de estacionamento) e seguir até ao Largo Virgílio Horta (junto à câmara).

A alteração rodoviária vai ser complementada com o reforço da oferta de transportes públicos, pela Scotturb, a partir de 29 de março, através da carreira 434 (Circuito da Pena), com uma frequência de autocarros de 15 minutos entre as 09:15 e as 19:50.

A carreira 435 (Villa Express 4 Palácios) vai circular entre as 09:45 e as 18:45 com uma frequência de 25 minutos, enquanto a carreira 403 (Cascais Terminal-Sintra Estação) vai ter “um aumento de dez circulações por dia”, adiantou o comunicado da Câmara de Sintra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

O azar dos habitantes do prédio Coutinho /premium

Helena Matos
3.757

Todos sabem que não existe interesse público que justifique a demolição. Mas dá-se como adquirido que o Estado vai ganhar. Depois dirão: as vítimas tinham razão. É o síndroma azar dos Távoras. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)