Fotogaleria

Este é um mapa da internet. E apetece pendurar na parede

2.741

Quando faz uma chamada de vídeo para outro continente, como é que a imagem e o som chegam de um lado ao outro? Como é que a informação circula entre tão grandes distâncias e tão rapidamente?

Autor
  • Pedro Esteves

A internet é um produto que já (quase) todos damos por adquirido. O modem sempre ligado dá-nos acesso a toda a informação de um modo instantâneo, a tecnologia tem evoluído de forma discreta ao ponto de já enervar ter de esperar mais de dois ou três segundos até que uma página carregue. Não interessa onde é que essa página está alojada, se num servidor no Alasca ou em Vladivostok, queremos navegar por ela de uma única maneira: depressa.

Esta vertigem da velocidade é uma exigência do mundo moderno para particulares e empresas, que dependem dela para manter os negócios. Se uma hora ou alguns minutos offline perturbam o sistema nervoso do utilizador comum, para uma empresa isso pode significar um prejuízo elevado. A vida no mundo moderno está intimamente ligada à comunicação, mas como é que essa informação anda às voltas pelo globo à velocidade da luz e de um clique? A resposta está numa palavra: cabos.

Mais concretamente, milhares de quilómetros de cabos de fibra ótica que permitem o transporte de informação (dados) sob a forma de impulsos luminosos. São centenas e atravessam o fundo de todos os oceanos para ligar todos os países de todos os continentes — a profundidades que podem chegar aos 8 mil metros. A importância destes cabos é ilustrada pelos números: 99% da informação que circula entre continentes passa através de fibra ótica, apenas 1% é transmitida via satélite.

Entre os que estão em funcionamento e em fase de instalação, contam-se 300 cabos submarinos. Esta rede subaquática numerosa, longa e complexa inspirou a TeleGeography a colocar num mapa todas as linhas. Só por si o efeito já é espantoso, mas a empresa de consultoria norte-americana acrescentou informação adicional e um traço vintage, a fazer lembrar os mapas antigos. Cereja no topo do bolo, as magníficas ilustrações e dados técnicos estão disponíveis gratuitamente e são, dinamicamente, semelhantes aos outros mapas online que conhecemos. É muito fácil de usar, faça zoom, navegue de um lado para o outro, perca tempo e divirta-se a aprender do que é feita (também) a internet que dá por garantida. Já agora, os mapas estão alojados em servidores nos EUA. E são muito rápidos.

Mapa interativo: submarine-cable-map-2015.telegeography.com

Imagens cedidas por TeleGeography.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Pai para mim, mãe para ti  /premium

Inês Relvas

Com a existência de um período de licença igualmente longo por parte dos pais, a decisão de preferência de um homem versus uma mulher para uma posição de trabalho poderá finalmente deixar de existir. 

Pedofilia

Vade Retro, Sr. Padre! /premium

José Diogo Quintela

Os padres envolvidos nos casos de abusos sexuais são uma minoria. O pior é a cobertura que lhes dá o resto da hierarquia católica. A protecção dos abusadores vê-se nas penas do Tribunal Eclesiástico.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho
323

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)