Ricardo Salgado enviou mais uma carta à comissão de inquérito ao BES. Desta vez não para se justificar, mas para mostrar aos deputados um pedido de desculpa que lhe chegou. O ex-presidente do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), João Duque, chamou Ricardo Salgado de “escroque da pior espécie” e agora, Salgado recebeu uma justificação do atual presidente da instituição, Mário Caldeira, que diz que não se revê nas palavras do professor do instituto.

A carta do presidente do ISEG, a que o Observador teve acesso, foi enviada pelo próprio Ricardo Salgado à comissão de inquérito. E porquê? Tudo começou numa entrevista de João Duque ao jornal i, onde esteve se mostrava arrependido por ter dado um honoris causa a Ricardo Salgado quando presidiu ao ISEG: “Premiei um escroque da pior espécie”, disse. As palavras de João Duque foram replicadas na última audição de Ricardo Salgado no Parlamento pelo deputado Carlos Abreu Amorim, do PSD, e é por esse motivo que Salgado decidiu enviar a carta aos deputados. “Em resposta ao senhor deputado Carlos Abreu Amorim repudiei veementemente a expressão em causa e esclareci que enviei uma carta ao ISEG, na qual manifestei a minha posição sobre as palavras utilizadas” por João Duque.

Ora entretanto, o presidente do ISEG, Mário Caldeira, respondeu e disse compreender o “descontentamento de Salgado”. “Gostaria de referir que compreendo perfeitamente o descontentamento de V.Exa com o teor do texto publicado no jornal i”.

Além disso, escreveu o presidente do ISEG, as palavras de João Duque não podem ser imputadas à instituição: “O professor João Duque não representa o ISEG e quaisquer declarações proferidas são a título meramente pessoal. O presidente do ISEG não subscreve a perspetiva expressa no referido texto”, acrescenta.

No final da carta, Mário Caldeira despede-se com “elevada estima pessoal” de Salgado, agradecendo na missiva “a colaboração prestada”.