Eleições Legislativas

António Costa: “Não haverá arranjinhos” no Governo

O secretário-geral do PS afirmou, em Almada, que é preciso dizer basta à política do Governo e deixar claro que, com os socialistas, não haverá arranjinhos para prosseguir as mesmas políticas.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

O secretário-geral do PS afirmou terça-feira, em Almada, que é preciso dizer basta à política do Governo PSD/CDS e deixar claro que, com os socialistas, não haverá “arranjinhos” com outros protagonistas para prosseguir as mesmas políticas.

“O que temos de deixar claro aos portugueses é que não haverá arranjinhos para, com outros protagonistas, prosseguir as mesmas políticas”, afirmou António Costa, num encontro com cerca de duas centenas de simpatizantes e militantes socialistas na Academia Almadense, em Almada.

António Costa aproveitou um relatório do parlamento europeu sobre o impacto da crise nos direitos fundamentais nos países-membros da União Europeia, designadamente em Portugal, para salientar aquilo que considerou ser o fracasso das políticas do atual Governo, no que respeita ao desemprego, educação, saúde e segurança social.

“É preciso dizer basta a esta política e, para isso, é preciso mudar de Governo; essa é a nossa responsabilidade”, declarou o líder do PS, sublinhando: “O país olha para nós e percebe que somos nós que podemos construir uma alternativa”.

No encontro, em que teceu duras críticas à governação PSD/CDS, António Costa afirmou também que, “ao contrário do que o Governo diz, apesar dos cortes nos salários, cortes nas pensões, cortes das despesas sociais, apesar do aumento da carga fiscal, a verdade é que as finanças públicas não estão melhores do que há quatro anos”.

“Há quatro anos, a dívida era muito grande, estava nos 97% do nosso PIB [Produto Interno Bruto]; hoje está bastante maior, está em 130% do PIB. Aquilo que nós temos concluir, ao fim destes quatro anos, é que este Governo fracassou e a sua política falhou. Nem temos melhor economia, nem termos melhores finanças públicas”, declarou.

Para António Costa, a posição do Fundo Monetário Internacional (FMI) que defendeu terça-feira a necessidade de mais investimento público na União Europeia, também veio evidenciar o fracasso da política da governação PSD/CDS, que, segundo o líder socialista, apontava para a necessidade de se cortar no investimento público que só endividava o País.

“Hoje, veio o FMI dizer que bem pode o Banco Central Europeu aumentar a liquidez da banca, bem pode haver vontade de mais investimento privado, mas se não houver mais investimento público, que alavanque o investimento privado, nós não voltaremos a ter investimento e não voltaremos a crescer de uma forma sustentada”, disse.

No encontro em Almada, António Costa manifestou também grande preocupação com o desemprego em Portugal, salientando que, contabilizando os desempregados que não estão inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional e as 350.000 pessoas que emigraram, “a taxa de desemprego efetivo do país não está nos 13%, mas já passa os 20%”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)