Futuro

O voluntário para o primeiro transplante de cabeça já está escolhido

162

Em fevereiro um cirurgião italiano disse que em 2017 vai ser possível executar um transplante de cabeça. A semana passada foi apresentado o primeiro voluntário.

Valery Spiridonov sofre de uma doença muscular chamada Werdnig-Hoffmann e foi escolhido como primeiro voluntário

youtube.com/user/RuptlyTV

O cirurgião italiano Sergio Canavero disse em fevereiro que em poucos anos será possível transplantar uma cabeça humana. A notícia foi recebida com ceticismo pela comunidade científica, mas na perspetiva de quem sofre parece haver ânimo e esperança. Valery Spiridonov é o primeiro candidato selecionado pelo médico italiano para ser submetido a esta cirurgia radical, na complexidade e nos números.

Caso se venha a concretizar no futuro próximo (a estimativa de Canavero aponta para 2017), esta cirurgia poderá demorar 36 horas, envolver 150 profissionais de diferentes especialidades (neurologia, cirurgia vascular, ortopedia) e contabilizar um custo total de 11 milhões de dólares. A moeda americana não aparece por acaso: Sergio Canavero só deverá conseguir realizar esta cirurgia num centro norte-americano, avança a CNN.

Valery Spiridonov tem 30 anos, é cientista computacional e sofre de uma doença muscular rara chamada Werdnig-Hoffmann, uma atrofia muscular de origem genética e fatal. Voluntariou-se e é agora o primeiro candidato aceite pelo cirurgião italiano. A CNN conta que o médico tem recebido muitas propostas de pessoas interessadas, nomeadamente de transexuais que procuram um novo corpo.

A cirurgia está em preparação e já tem um nome: HEAVEN. Em linhas gerais, o procedimento envolve o transplante da cabeça num corpo saudável de um paciente em morte cerebral. O cérebro de Valery Spiridonov terá de ser arrefecido entre os 10 e os 15 graus Celsius para prolongar a vida das células nervosas na ausência de oxigénio. Depois, a medula espinal é cortada e a cabeça colocada no corpo do dador, com o auxílio de uma cola biológica. Durante pelo menos três semanas o paciente terá de ficar em coma induzido para prevenir movimentos.

Transplantar uma cabeça para um novo corpo representa um desafio técnico imenso, em especial na componente neurológica. Isto porque a técnica cirúrgica para ligar a medula espinal ainda não oferece garantias de sucesso, as experiências já efetuadas com macacos fracassaram sempre. O problema está na ligação incompleta das células nervosas, que podem fazer parar funções autónomas e vitais tais como a respiração e o batimento cardíaco.

Os riscos são muito elevados mas Valery Spiridonov diz que não tem nada a perder. E mais: “Esta tecnologia é o equivalente ao primeiro passo dado pelo homem no espaço, porque no futuro vai ajudar milhares de pessoas que estão num estado ainda mais deplorável que o meu.”

Sergio Canavero acredita na estratégia que desenhou e explicou o fundamento nesta conferência TED:

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

A Tecnologia e o Orgulho da Civilização

Nuno Cerejeira Namora

Em 2017, a economia digital representou 4,6% do PIB português contra 13,8% no Reino Unido. A expectativa de que este valor venha a crescer ao longo da da próxima década é enorme.

Futuro

A sabedoria dos motoristas de autocarro

Patrícia Fernandes
202

Ao ouvir os motoristas de autocarro falar, nas longas viagens que ligam o Minho à Beira Interior, fica no ar a nostalgia de um futuro próximo e um aviso para o abismo geracional que estamos a viver.

Futuro

Mudança digital, recomposição das cadeias de valor

António Covas

Depois da mecânica, da eletricidade, da computação e internet, é chegada a vez da revolução digital e inteligência artificial. Os seus efeitos serão positivos, mas, também, contraditórios e paradoxais

Inovação

#PortugalMaisDigital!

Rogério Campos Henriques

É importante existir um movimento que incentive a utilização dos recursos digitais existentes na sociedade por todos os cidadãos, de forma consciente e informada. E este é o grande propósito do MUDA.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)