Rádio Observador

Presidenciais 2016

Paulo Morais: “Deputados entretêm-se apenas a fazer negócio”

573

Paulo Morais apresentou este sábado a candidatura a Belém. E acusou tudo e todos, do atual Governo da maioria PSD/CDS, ao PS de Sócrates, até ao Governo de Durão: "Um concurso de mentiras"

Sidónio Félix / Global Imagens

Paulo Morais apresentou este sábado à tarde, no Porto, a sua candidatura às Presidenciais de 2016 sem poupar críticas ao sistema político português. Disse que há falta de “verdadeira política” em Portugal e que no seu lugar está a “politiquice, a política de luta pequena” que não contribuiu para o desenvolvimento económico e social do País.

O candidato a Belém repetiu uma série de análises que são já a sua “imagem de marca”.

“Temos um regime democrático que está completamente agonizante”, afirmou, referindo-se ao exercício “mesquinho e egoísta” da maioria dos titulares de cargos políticos nas últimas décadas.

Os governantes mentem todos os dias, enquanto o povo tem sede de uma justiça que nunca chega”.

“Os partidos do poder transformaram os processos eleitorais em circos de sedução em que acaba por ganhar quem é mais eficaz a enganar os cidadãos. As eleições transformaram-se assim em concursos para a escolha do maior mentiroso. E o troféu em jogo neste concurso é a chefia do Governo”, disse o candidato, garantindo que se for eleito demitirá o Governo que não cumpra asa promessas eleitorais.

O ex-número dois de Rui Rio na Câmara do Porto não poupou os deputados da Assembleia da República. Disse que se “entretêm apenas a fazer negócio” e que “largas dezenas” acumulavam funções parlamentares com a de gestores, diretores, administradores ou consultores de grupos económicos “que beneficiam de muitos favores do Estado”.

Sobre o Executivo liderado por Passos Coelhos, afirmou que está “sem rumo” e que o primeiro-ministro rompeu o compromisso que assumiu com o eleitorado.

Passos Coelho mentiu-nos e afinal é um mero seguidor das políticas de José Sócrates”.

“Temos uma política onde a mentira tem sido a marca recorrente. Os candidatos tudo prometem em campanha e uma vez no poder esquecem os seus compromissos eleitorais. Passos Coelho prometeu-nos o céu, mas remeteu-nos ao inferno”, referiu. O candidato acusou também o “parceiro” dos sociais-democratas de “mentira” – “o CDS-PP defendia a diminuição da carga fiscal até chegar ao Governo e se tornar o maior cúmplice do seu agravamento” – para recuar até José Sócrates e Durão Barroso.

[José Sócrates] fez exatamente o mesmo. Prometendo não aumentar impostos, não tardou em fazê-lo quando subiu ao poder. Mais um mentiroso. Da mesma forma, Durão Barroso tinha anunciado na campanha de 2002 um choque fiscal com uma brutal redução de impostos. Mal tomou posse a primeira medida foi aumentar impostos”.

E nem o Presidente da República ficou fora do discurso. O candidato a Belém criticou Cavaco Silva, por este “não exercer as suas funções presidenciais” e que só uma intervenção da presidência da República pode desencadear um “processo de regeneração”.

“O exercício da política está nas ruas da amargura”, terminou, referindo que é preciso que o país cumpra com a Constituição que tem.

Paulo Morais, que entre 2002 e 2005 foi vice-presidente da câmara do Porto, durante o mandato de Rui Rio, apresentou-se no emblemático café Piolho, no Porto, na sessão de apresentação da sua candidatura à presidência da República, tendo apontado como prioridades o combate à corrupção e a transparência das contas públicas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)