Rádio Observador

Ciência

Telescópio Hubble, que revolucionou a astrofísica, completa um quarto de século

O telescópio Hubble, que revolucionou a astrofísica com as imagens que captou a partir do espaço, comemora na sexta-feira 25 anos sobre a sua colocação em órbita pelo vaivém espacial Discovery.

NASA/HUBBLE SPACE TELESCOPE/ESA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O telescópio Hubble, que revolucionou a astrofísica com as imagens que captou a partir do espaço, comemora na sexta-feira 25 anos sobre a sua colocação em órbita pelo vaivém espacial Discovery.

Em 24 de abril de 1990, o primeiro telescópio espacial, projeto da Agência Espacial dos Estados Unidos (NASA) e da Agência Espacial Europeia (ESA) batizado com o nome do astrónomo norte-americano Edwin Powell Hubble partiu a bordo do Discovery para ser colocado em órbita a uma distância de 559 quilómetros da Terra, com a promessa de libertar a observação do universo das interferências da atmosfera terrestre.

O Hubble fotografou buracos negros e captou a existência de quatro luas de plutão — Nix, Hidra, Cérbero e Estige – até então desconhecidas, permitiu a observação do nascimento e da morte de estrelas e de galáxias longínquas, revelou que o universo está a expandir-se a um ritmo mais elevado do que se supunha e mostrou aspetos desconhecidos dos planetas Saturno, Júpiter e Plutão.

Mas o sucesso do telescópio esteve em causa quando, três semanas após a colocação em órbita, os cientistas responsáveis pelo telescópio detetaram, através das primeiras imagens que receberam, a existência de um problema no espelho principal do aparelho, o que parecia comprometer todas as potencialidades do Hubble.

Reparado em 1993 na que foi a primeira missão de reparação espacial de grande envergadura, o Hubble começou a fornecer à ciência imagens do universo distante, em luz ultravioleta, infravermelha e em luz visível, de uma clareza inédita.

Uma das mais conhecidas imagens captadas pelo Hubble ficou conhecida como “Os Pilares da Criação”, três colunas de poeira cósmica, onde acontece o nascimento de estrelas, na nebulosa da águia.

Outra imagem do Hubble que correu mundo foi a do campo ultra-profundo, que mostra galáxias, estrelas e objetos muito distantes, classificada como o retrato mais completo do universo visto no espetro visível.

A capacidade do Hubble de perscrutar os confins do universo significa que em muitos casos os corpos celestes que o telescópio revelou à ciência já terão deixado de existir quando a sua luz chega aos espelhos e lentes do Hubble.

Edwin Powell Hubble ficou famoso por ter descoberto que as chamadas nebulosas afinal eram galáxias como a Via Láctea, mas muito distantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)