Rádio Observador

Centenário

O Theatro Circo faz um século de vida. Venham mais cem anos

985

Enquanto a Europa se debatia com a I Guerra Mundial, em Braga o dia 21 de abril de 1915 era de festa. No dia em que o Theatro Circo faz 100 anos, o Observador mostra um século de história em imagens.

Autor
  • Sara Otto Coelho

O Theatro Circo começou a ganhar forma na mente de um grupo de bracarenses por volta de 1906, ainda teatro se escrevia com h, de acordo com a “orthographia” da altura. A ideia cresceu e a sala de espetáculos abriu as portas a 21 de abril de 1915, na Avenida da Liberdade, em Braga, com cinco dias de comemorações. Para celebrar um século de portas abertas, a partir desta terça-feira há seis dias de festa.

A República não tinha ainda cinco anos de idade em Portugal. Os governos sucediam-se uns aos outros. Na Europa, a I Guerra Mundial ceifava vidas, portuguesas incluídas. Mas, entre 21 e 25 de abril de 1915, houve motivos para celebrar em Braga. Arraste o rato para a direita e para a esquerda para comparar o passado e o presente:

É que, até ali, a cidade minhota dispunha apenas de uma pequena sala para ver cinema e artes cénicas, onde as maiores companhias portuguesas não atuavam. Para o momento inaugural foi convidada a companhia do “Éden Teatro de Lisboa”, que, sob a direção de José Galhardo, apresentou a peça “A Rainha das Rosas”, com Palmira Bastos no papel principal. 100 anos depois, o Theatro Circo mantém-se como uma das principais salas de espetáculos da região Norte, com programação tão frequente quanto relevante.

Nos anos 20, o edifício foi sujeito às primeiras obras de ampliação da sala de espectáculos e de construção de novas dependências, designadamente do Salão Nobre. A história, que pode ser lida na página do Theatro Circo, recorda ainda que as obras foram executadas em parceria com a “Sociedade do Teatro Sá da Bandeira” e que foram acrescentadas 24 frisas e um balcão, pelo que foi necessário rebaixar o palco e a plateia. O século XXI começou com obras de recuperação no edifício, em que a Câmara Municipal de Braga e o Ministério da Cultura contaram com uma ajuda impossível no início do século XX – uma coisa chamada fundos comunitários.

A programação da semana de arranque do centenário do Theatro Circo, sob o lema “O Século do Theatro”, e a cargo de Paulo Brandão, começa com dose dupla de Rodrigo Leão, cujos concertos acontecem esta terça e quarta-feira, às 22h00, na sala principal. Na sexta-feira atuam os bracarenses At Freddy’s House e, depois, Cati Freitas. No sábado, Dia da Liberdade, há música dos Diabo na Cruz e dos Operativo Sem Calorias. Mais tarde, o GNRation marca presença com  DJ Firmeza e DJ Lilocox, com entrada livre.

Mas nem só de música se faz a programação. A exposição “O Século do Theatro“, cinema, poesia, um workshop de clown, espetáculos para crianças e famílias, visitas guiadas encenadas pelo edifício e até cortes de cabelo. Sim, isso mesmo. Na sexta-feira, 24 de abril, a Sala de Fumo do Theatro vai ser transformada numa “barbearia vintage”, onde Pedro Remy vai estar a fazer “O Corte do século“, a representar a arte de cortar cabelos. Quem quiser umas tesouradas não paga.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)