Os líderes da União Europeia reúnem-se hoje, em Bruxelas, numa cimeira extraordinária que tem como objetivo “prevenir que mais pessoas morram no mar” Mediterrâneo, onde ainda no passado fim-de-semana várias centenas de imigrantes perderam a vida num naufrágio.

Na carta-convite dirigida na quarta-feira aos líderes dos 28 Estados-membros, entre os quais o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, que representará Portugal, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, que convocou a cimeira extraordinária, diz esperar que sejam acordadas, entre todos os Estados-membros e instituições europeias, medidas muito concretas para evitar novas tragédias no imediato.

Admitindo que “a migração é um assunto complexo” que só pode ser enfrentado se forem combatidas as suas “causas profundas”, Tusk assinala na missiva que, no Conselho Europeu extraordinário de hoje, “a prioridade absoluta é prevenir que mais pessoas morram no mar”.

“Espero por isso que acordemos medidas muito práticas que contribuam para este objetivo, em particular através do reforço das possibilidades de busca e salvamento, combatendo os traficantes e desencorajando as suas vítimas a por a vida em risco, ao mesmo tempo que reforçamos a solidariedade entre os Estados-membros”, aponta.

A cimeira de líderes europeus terá início às 16:00 locais em Bruxelas (15:00 de Lisboa).

À margem da cimeira, terá lugar, nas imediações da sede do Conselho Europeu, em Bruxelas, uma “marcha fúnebre” organizada pela Amnistia Internacional, com o objetivo de chamar a atenção para o que esta organização classifica como “a vergonhosa resposta” da Europa ao drama no Mediterrâneo e à necessidade urgente de operações robustas e multinacionais de busca e salvamento.