Se o soutien fosse um sapato, esta notícia não existia. Toda a gente sabe o número que calça e já teve pelo menos um funcionário solícito a empurrar-lhe o calcanhar com a dedicação de uma andorinha a alimentar as crias. Ninguém anda com os pés apertados, mas também ninguém deixa espaço entre os dedos e a biqueira sem dar por isso. O mesmo não se pode dizer dos soutiens que as mulheres vestem todos os dias. E é por isso que isto é notícia.

Inaugurada em 2010 com um serviço inovador de bra fitting (prova de soutiens), no Chiado, a loja Dama de Copas reuniu cinco anos de consultoria para divulgar um estudo. Pelos provadores passaram 28.742 mulheres e os resultados não são animadores: 34% não sabe o tamanho de soutien que usa e 99% usa o tamanho errado.

A culpa, diz uma das fundadoras, Inês Basek, é da falta de opções: “a maioria das lojas vende sem aconselhar ou até pode aconselhar mas não tem oferta suficiente.” Algo que não se pode apontar à Dama de Copas: nos armazéns das várias lojas, entretanto estendidas ao Porto e a Madrid, estão mais de 100 tamanhos guardados em gavetas até ao teto, do 28A ao 46K.

“O número mede a largura das costas, a letra indica a copa do peito”, explica Inês, que saiu da Polónia por causa de um namorado português e, já em Lisboa, encontrou na amiga Margarida Furst a ideia de um negócio que resolvesse um problema recorrente: encontrar um soutien à medida. Juntas têm mudado o tamanho a 99% das mulheres que as visitam. E apesar de cada peito ser um peito, também aqui há padrões: segundo o mesmo estudo, 34B e 36C são os tamanhos errados mais usados pelas portuguesas, sendo que os certos mais comuns são o 32E e o 34F.

Nas lojas da marca, ninguém pode chegar à caixa com um cabide como quem compra uma pizza congelada no supermercado. “A venda é sempre acompanhada de um serviço de bra fitting porque a nossa missão é encontrar o tipo de soutien para cada peito”, diz Inês. Nesse serviço — que pode ser específico para grávidas e noivas, e inclui também biquínis e fatos de banho — começa-se por identificar o que a cliente leva vestido e quais os problemas. “Depois propomos um soutien e fazemos reavaliação do tamanho. Encontrado o tamanho, propomos vários modelos, tendo em conta o estilo de vida da cliente e a finalidade: para usar com roupa subida, decotada, sem alças, transparente, justa ou desportiva. O que acontece dentro do provador é um diálogo.”

Dama de Copas loja lisboa

A entrada da loja de Lisboa

Para ajudar a fazer fluir a conversa, pelas lojas estão espalhadas várias ilustrações em traços retro com pequenas aulas sobre esta peça de vestuário, dos cuidados a ter aos 10 mandamentos amigos do peito:

10_mandamentos

E porque cinco anos só vieram comprovar que “as mulheres não percebem nada de soutiens”, recentemente foram criados workshops gratuitos, “sem compromisso de compra”, para explicar estes mandamentos, conhecer os erros mais comuns ou até qual a forma certa de vestir o soutien.

“Se usarmos o mesmo soutien todos os dias, gasta-se em três meses”, diz Inês. “Nunca se deve usá-lo mais do que dois dias seguidos, para o elástico recuperar, e não se devem usar soutiens claros com roupa escura não só porque podem ficar manchados como tendem a gastar-se mais depressa.”

6 fotos

Não só por motivos estéticos e de conforto, usar o soutien certo é uma questão de saúde. “Melhora a postura sem sobrecarregar os ombros e sem provocar dores de costas”, conclui Inês. “O próprio peito fica mais bonito se estiver bem suportado, não correndo o risco de ficar flácido, descaído e com estrias.”

Nome: Dama de Copas
Moradas: Rua de Santa Justa, 87 (Lisboa), Rua de Sá da Bandeira, 373 (Porto).
Contactos: 21 195 5997 (Lisboa); 22 093 2768 (Porto)
Horário: Segunda a sábado das 10h00 às 20h00 (em Lisboa a loja está aberta também aos domingos e feriados, das 11h00 às 19h00).
Preço médio dos soutiens: 39 a 50 euros. O serviço de bra fitting e os workshops são gratuitos.