Rádio Observador

Marketing

O que une estes 14 anúncios: foram banidos e geraram controvérsia

São 14 anúncios de marcas diferentes, mas têm todos algo em comum: geraram controvérsia e foram banidos. Por terem conteúdo sexual explícito ou serem de simples mau gosto.

Alguns chegaram a sair à rua, outros não passaram do projeto em papel. O Telegraph listou 14 anúncios que geraram forte controvérsia. Os motivos foram múltiplos: conteúdo sexual explícito, imagens chocantes, discriminação ou publicidade enganosa. O fim, contudo, foi o mesmo – todos os anúncios foram banidos.

Conheça-os:

1. A New Adventure Travel foi acusada de exibir um anúncio com insinuações sexuais explícitas nos autocarros do Reino Unido. “Ride me all day for 3£” era a “sugestão” escrita em letras garrafais e que aparecia num letreiro segurado por uma mulher. A empresa terá afirmado que o objetivo da campanha era o de atrair utilizadores que habitualmente não usam os autocarros. A receção negativa ao anúncio fez com que este fosse retirado em menos de 24 horas.

2. A imagem publicitária da empresa Protein World’s foi banida pela Advertising Standards Authority (ASA) por promover uma imagem “irrealista” do corpo humano e encorajar sentimentos de “vergonha” relativamente à aparência corporal. As redes sociais reagiram negativamente ao anúncio. Mas a marca decidiu mante-lo, apesar de existirem petições online desfavoráveis.

3. Em 2009, a campanha da supermodelo Twiggy para um creme de olhos anti-rugas da marca Olay foi banida por publicidade enganosa. Alegadamente, a imagem teria sido retocada digitalmente, tendo as rugas de Twiggy sido (bastante) atenuadas.

4. A gigante de media norte-americana Viacom recusou-se a imprimir um anúncio da organização Breast Cancer Fund por o considerar “demasiado chocante” para ser exibido ao público. A imagem revelava uma mulher com uma cicatriz no peito devido a uma mastectomia, uma cirurgia que consiste na remoção completa de um seio devido ao cancro.

mastectomy_3300993k

Créditos: BBDO West

 

5. O anúncio da agência de publicidade Newspaper Marketing foi removido pela ASA por ser considerado sexista. Apesar da imagem ser “irrealista”, a reguladora considerou que “banalizava” a violência contra os homens. A agência afirmou contudo que “a imagem não excedeu os standards considerados como aceitáveis na indústria da moda” e que o anúncio não pretendia insinuar que “as mulheres são superiores aos homens”.

killerheels_3300936k

Créditos: Newspaper Marketing Agency

6. O anúncio da MTV Brasil que retratava os atentados do 11 de setembro foi banido nos Estados Unidos por “insensibilidade“. No texto podia ler-se: “[Junto às torres] 2863 mortos. [em rodapé] 630 milhões de sem-abrigo no mundo. O mundo está unido contra o terrorismo. Deveria fazer o mesmo contra a pobreza”.

mtv911_3300933k

Créditos: No2ID

7. Este foi o anúncio que recebeu mais queixas no Reino Unido em 2002. Criado pela Paddy Power, uma editora irlandesa, a imagem mostrava duas idosas a atravessar a rua numa passadeira, com um veículo todo-o-terreno a aproximar-se. Junto às suas cabeças estavam, dentro de circulos cor de laranja, cálculos de probabilidades. Apesar de em sua defesa a empresa ter alegado que os números se referiam à probabilidade de cada uma atravessar a rua primeiro, muitos ficaram com a impressão de que seriam as probabilidades de cada uma ser atingida pelo veículo.

paddypower_3301003k

Créditos: Paddy Power

8. O anúncio da PETA com uma imagem de Pamela Anderson foi banido no Canadá. O anúncio mostrava a ex-atriz de biquini com o corpo dividido a caneta, como se fosse o de um corpo de um animal num talho. A campanha pretendia sensibilizar para o vegetarianismo. O porta-voz da cidade de Montreal afirmou que o anúncio não só era “controverso, como também ia contra todos os princípios pelos quais as organizações públicas lutam, na batalha interminável entre sexos”.

pampeta_3300916k

Créditos: PETA

9. O anúncio de cigarros eletrónicos da empresa Nicofresh foi banido pela ASA sob a acusação de que classificava as relações interraciais como um tabu. Das seis pessoas que fizeram queixa, quatro delas alegaram também que este insinuava que a relação entre um homem jovem e uma mulher mais velha eram socialmente inaceitáveis.

10. Em menos de um dia, a ASA recebeu 92 queixas por este anúncio da Barnardo, uma organização de solidariedade destinada a ajudar crianças. O número elevado de queixas motivou uma investigação “urgente” que levou a reguladora a banir o anúncio. As imagens foram classificadas como “chocantes“. A diretora de comunicação da Barnado afirmou contudo que a organização “não iria pedir desculpa porque teria lançado o debate acerca da pobreza infantil”.

barnardos_3301074k

Créditos: Barnado’s

11. Esta imagem da Ladbrokes foi banida pela ASA por alegadamente promover “uma atitude irresponsável em relação ao jogo“. Contudo, a empresa de apostas considerou que os clientes iriam conseguir reconhecer o humor por trás do poster e que não iriam interpretar a campanha como uma forma de encorajar as apostas.

ladbrokes_3301103k

Créditos: Ladbrokes

12. O anúncio da Phones4U impresso antes da Páscoa foi banido por alegadamente “gozar com o Cristianismo“. Por considerarem que o anúncio era desrespeitoso, 98 pessoas apresentaram queixa. A empresa pediu desculpa a cada uma delas individualmente.

phones4u_3301130k

Créditos: Phones4u

13. Apesar de ter ganho alguns prémios, a imagem da campanha “Be Stupid” (“Sê Estúpido”) da marca Diesel foi banida pela ASA após ter sido considerada chocante para menores. O poster revela uma rapariga a levantar a camisola e mostrar os seios para uma câmera de vigilância. Ficando, claro, só de jeans.

14. A campanha “Go Home” (“Vai Para Casa”) foi banida pela ASA por conter estatísticas enganosas relativamente a detenções de imigrantes. O anúncio dirige uma mensagem dura aos imigrantes: “vão para a casa ou serão presos“. Foram recebidas 224 queixas pelo anúncio para além de ter sido alegado que a linguagem utilizada na imagem era parecida com a usada pelo partido de extrema-direita Frente Nacional nos anos 70.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Marketing

Marketing é filosofia. E da boa

Fernando Pinto Santos

O marketing é uma filosofia de gestão baseada num foco nos mercados e na criação de valor, surgiu como alternativa a uma filosofia centrada na produção e não orientada para os consumidores.

Inovação

A energia dos millennials

Rui Assis

A geração millennial é exigente e quer conveniência, simplicidade e rapidez. Mas estarão as empresas preparadas para responder e conquistar esta geração de consumidores? Talvez ainda falte algo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)