Rádio Observador

Economia

Cliente insatisfeito? Telepizza responde: “Vai pela sombra”

4.818

Cliente queixou-se através do Twitter por a Telepizza ter trocado a Coca-Cola pela Pepsi. A resposta, que fonte oficial diz não ter passado de "uma brincadeira", não foi bem recebida na rede social.

Fonte oficial da empresa atribui teor da resposta ao "tom comunicacional amistoso, próximo e humorístico que a marca tem".

Diz-se quando alguém está de saída, constituindo uma maneira ofensiva de se despedir“. É este o significado, de acordo com um dicionário de expressões idiomáticas criado pela Universidade do Minho, da expressão utilizada pela Telepizza Portugal para responder a um cliente que utilizou a rede social Twitter para se queixar do facto de a cadeia de pizzarias ter deixado de servir refrigerantes da Coca-Cola e trocado essa marca pela rival Pepsi. “Vai pela sombra”ouviu o cliente, numa resposta que fonte oficial da empresa atribui ao “tom comunicacional amistoso, próximo e humorístico que a marca tem”.

A expressão utilizada pela conta oficial da Telepizza, gerida por uma empresa externa, provocou alguns comentários menos positivos de utilizadores.

Ainda através do Twitter, a Telepizza voltou a retorquir.

A discussão continuou.

Telepizza lamenta mal-entendido

Fonte oficial da Telepizza diz ao Observador que “não se trata aqui de uma atitude de desrespeito ou de ofensa, mesmo estando a falar de uma rede social onde por vezes o discurso é um pouco mais informal”. “Lamentamos que o comentário tenha sido menos bem interpretado do que gostaríamos”, diz a mesma fonte, sublinhando que “tudo não passou de uma brincadeira”.

Esta não é a primeira vez que se proporcionam, nos últimos anos, interações nas redes sociais pouco felizes entre marcas e utilizadores. No início de 2013, a Sumol+Compal viveu uma situação semelhante quando o gestor da página de Facebook da marca de refrigerantes deu uma resposta politicamente incorrecta. Perante o despedimento coletivo de 70 colaboradores, um utilizador escreveu no perfil da Sumol+Compal que iria considerar “o não consumo de Sumol de Laranja”. A resposta que se seguiu gerou polémica: “Sempre tens o ananás, o limão e o maracujá!“.

O comentário, recorda o Dinheiro Vivo, chegou a suscitar o alerta de outro utilizador: “[De] Certeza que esta é a página oficial da Sumol? É que dar uma resposta destas a uma crítica de um consumidor é de bradar”. Mais tarde, o gestor da página viria a pedir desculpas, afirmando que “infelizmente a conjuntura atual promove este tipo de situações”. Atualmente, o link para os comentários em questão já não se encontra disponível.

edp123

D.R (Imagem retirada da página www.agenciainbound.com.br)

Dois anos antes, outro caso. Uma utilizadora declarou-se, em outubro de 2011, contra o plano nacional de barragens na página de Facebook da EDP. Em resposta, a empresa escreveu que o comentário ia contra o código de conduta instituído — o qual rejeitava comentários de spam, difamações ou injúrias, segundo o Jornal de Negócios –, pelo que seria forçada a apagá-lo.

A resposta tornou-se viral, à semelhança do que aconteceu com o caso da Sumol+Compal, e fez com que a Energias de Portugal alterasse a privacidade da página e bloqueasse a publicação de comentários de utilizadores da rede social. Mas a instituição não se ficou por aqui e acabou mesmo por suspender o perfil de Facebook.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)