Tecnologia

Google financia projeto criado em Coimbra que reconstrói sistemas 3D de cidades

A Google vai financiar um projeto de investigadores da Universidade de Coimbra que desenvolveram um novo modelo informático usado para reconstruir ambientes urbanos em três dimensões (3D).

Gabriel Falcão, João Barreto e Carolina Raposo (da esquerda para a direita)

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um novo modelo informático para a aplicação de uma nova geração de sistemas de reconstrução 3D (tridimensional) de ambientes urbanos que vai ser financiado pela Google, foi esta segunda-feira anunciado.

“Uma equipa de investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) desenvolveu um novo modelo informático relevante para a aplicação de uma nova geração de sistemas de reconstrução 3D de ambientes urbanos”, afirma a UC numa nota divulgada.

Serviços como o ‘Google Street View’ dão uma perspetiva 3D das ruas, limitada, no entanto, “ao ponto de vista do veículo que capturou as imagens”, mas a equipa de investigadores da FCTUC, proporcionando “uma experiência imersiva, em que o utilizador navega livremente pelas ruas”, criou um sistema que obtém “reconstruções 3D detalhadas de cidades”.

O projeto, que começou a ser desenvolvido em janeiro de 2014, “chamou a atenção da Google [multinacional norte-americana de serviços online e software]”, que o selecionou no âmbito de “um concurso mundial de ideias muito competitivo, com taxas de aceitação na ordem dos 15 %”, e que, posteriormente, o financiou, salienta a UC.

“A grande novidade desta tecnologia, que se encontra em fase protótipo” (demonstração disponível em https://www.youtube.com/watch?v=OeYEwq-8TBI), é que “este algoritmo tem por base a utilização de planos, não só para descrever a cena, mas também para calcular o movimento da câmara”, afirmam Carolina Raposo, João Barreto e Gabriel Falcão, investigadores envolvidos no projeto.

“Isto faz com que os modelos em 3D sejam gerados automaticamente e armazenados de forma muito compacta (ao contrário dos métodos existentes que trabalham com nuvens de pontos), permitindo a sua rápida transmissão”, sustentam Carolina Raposo, João Barreto e Gabriel Falcão.

Outra vantagem da utilização de planos reside no facto de “esta tecnologia ser capaz de trabalhar com um número reduzido de imagens”, destacam os investigadores, explicando que isto acontece porque “é frequente que o mesmo plano seja ‘visto’ pelas câmaras em posições distantes, permitindo recuperar o movimento” – situação que não se verifica com “os métodos atuais, que requerem que as imagens sejam adquiridas em posições fisicamente próximas” e necessitem, por isso, de “muito mais informação”.

Adicionalmente, “este sistema usa arquiteturas de processamento paralelo para acelerar bastante o tempo de computação, gerando automaticamente os mapas em 3D e armazenando a informação no servidor”, adianta a UC.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)