Rádio Observador

Cultura

Um “personal alfarrabista” ao seu dispor

1.393

O alfarrabista "Sr Teste" nasceu na blogosfera, cresceu no Facebook, e partilha hoje uma livraria na Guilherme Cossoul. Ricardo Ribeiro encontra-lhe o livro que tanto busca. Mas faz mais do que isso.

O “Sr Teste” partilha desde setembro a livraria da Sociedade Guilherme Cossoul, em Santos. A vinda da internet (onde se mantém) para um espaço físico não adulterou o serviço de “book hunting”, que, mais do que personalizado, é pessoal.

© Lara Soares Silva

Autor
  • Tiago Palma
Mais sobre

Ricardo é músico, mas começou cedo a trabalhar em livrarias. Tinha 20 anos. Cresceu em volta dos livros, e há mais de uma década que vive deles, para eles. A vontade de criar um alfarrabista a que daria o nome de “Sr Teste” é recente, tem pouco mais de três anos, mas foi uma vontade que lhe alterou a vida e os dias.

Nem quinze dias passados sobre o surgimento da ideia, inaugurou um blogue, trouxe a si os amigos, os leitores, e os leitores que entretanto se fizeram amigos, trouxe a si uma vida de livreiro, e criou um alfarrabista sem paredes, sem estantes, sem balcão. “Cansei-me. Cansei-me de ver o livro ser tratado – de eu próprio tratá-lo – como um negócio, algo de somenos valor, em que te dizem o que tens de vender, quando e quanto tens de vender, em que o leitor não tem querer, não vai opinar, e ‘come’ o que lhe dão. Cansei-me disso. O que fiz foi um ato ideológico. Ser-se crítico, valorizar a tradição, valorizar o livro, ter escolha, dar o que escolher, é um ato profundamente ideológico.”

Se eu for a uma feira e encontrar um livro do Herberto Helder a cinco euros, não vou vendê-lo a cem. Eu não quero vender uma ‘Comunidade’ do Luiz Pacheco por ano, e lucrar cinco vezes o que paguei por ela. Se eu fizer um bom negócio, o leitor faz um bom negócio.”

Conversámos no bar da Sociedade Guilherme Cossoul, em Santos, onde, no rés do chão, o “Sr Teste” hoje mora, e para onde Ricardo trouxe os tantos livros que lhe atulhavam a casa. Foi em setembro que se mudou para cá. Sentado connosco está Fábio, 27 anos, que partilha o exíguo espaço da livraria com Ricardo e com Débora, outra livreira. Tal como Ricardo, também eles derivaram da blogosfera, onde tinham (e têm) o alfarrabista “ennui”.

“A vinda para a Guilherme Cossoul partiu de um convite do editor da ‘Artefacto’, que eu já conhecia do tempo em que trabalhava em livrarias, e que me acompanhava (e à “ennui” do Fábio e da Débora) no blogue. Não é que nós não estivéssemos bem só com o blogue. Mas a mudança para a Guilherme Cossoul também foi ótima para que nós conseguíssemos contactar de um modo mais direto com o leitor; saber o porquê de se interessar por um determinado autor, por um determinado livro, discutir o autor, discutir o livro. Também foi a curiosidade que me fez aceitar o convite.”, explica Ricardo.

alfarrobista teste, livros, livraria,

Ricardo Ribeiro recebe diariamente no Facebook e no blogue pedidos de leitores. “Servir os outros é uma honra do caraças!”, confessa.

O serviço de alfarrabista que o “Sr Teste” e a “ennui” propõem não é de todo o convencional. Dizem-se, por graça: “personal alfarrabistas”. Mas o que isso? “O que nós fazemos é “book hunting”. É estar ligado a outros alfarrabistas, ir comprar a bibliotecas particulares, ir comprar a mercados de rua, e encontrar o livro que o leitor procura. Mas isso não é uma novidade – a “Letra Livre” fê-lo bem antes de nós, a “Pó dos Livros” também o faz. A novidade é que a nossa rede não é a dos alfarrabista em Lisboa, é maior, bem maior, nós vamos a todo o país e ao estrangeiro, vamos a todos os cantinhos, para encontrar o livro.”, descreve Ricardo. Fábio interrompe-o: “…Sim, também é isso, mas não é só isso. Muitas vezes um leitor pergunta-me o que eu penso de um livro, e eu digo-lhe que não é um bom livro, ou que não é o livro que ele procura. Se eu pensar bem no que estou a dizer, é o tipo de abordagem que numa Bertrand ou que numa Fnac dá direito a despedimento na hora. [Risos] Por outro lado, e isto está sempre a acontecer-me, se eu encontro um livro que pressinto que um leitor vai querer, não o divulgo no blogue, ligo-lhe logo, e são raras as vezes em que o leitor não fica com ele. Ser-se “personal alfarrabista” também é isso: é conhecer o nosso leitor.”

“Não se trata de saber se há espaço para nós no mercado. Trata-se de saber se há espaço fora dele.”

O negócio dos alfarrabistas é um negócio onde tende a falar-se de especulação. Há livros que são vendidos por um valor muito superior ao real, e em que a venda pode mesmo ultrapassar a centena (às vezes o milhar) de euros. Não falamos de incunábulos, raros, mas de Herbertos e Pachecos, não tão raros. E também disso o “Sr Teste” se quer diferenciar. “Se eu for a uma feira e encontrar um livro do Herberto Helder a cinco euros, não vou vendê-lo a cem. Eu não quero vender uma ‘Comunidade’ do Luiz Pacheco por ano, e lucrar cinco vezes o que paguei por ela. Se eu fizer um bom negócio, o leitor faz um bom negócio.” Mas, voltando a Herberto: “Se há um livro dele que, mal sai, e é logo avaliado em 150 euros, como o Fábio viu, eu prefiro nem ter esse livro. E se o faço, faço-o para me salvaguardar como alfarrabista, para salvaguardar o livro, o leitor, e, sobretudo, os meus leitores”, critica Ricardo.

Mas há espaço no setor livreiro para um negócio como este? “Eu penso que não se trata de saber se há ou não espaço para o que nós fazemos. A problemática é outra: é saber se há espaço fora do mercado. É um trabalho de resistência.”, conclui Fábio. O livreiro da “ennui” crê que ser alfarrabista, hoje, é viver-se em deslumbramento, mas não deslumbrado. “A Fiama [Hasse Pais Brandão] fala em olhar com deslumbramento. Eu tenho por hábito ir para a montra da livraria e olhar através dela. Sabes o que é que me deslumbrou? A árvore ali à frente, que, no espaço de um mês, passou de não ter verde nenhum para estar completamente verde.” O deslumbramento pode ser o movimento de uma árvore, como a descoberta de um livro raro, como a chegada de um livro novo, de uma editora nova. “Um dia chegaram uns livros da “Sistema Solar” e nós parecíamos uns miúdos deslumbrados com o que lá vinha. Claro que há que ganhar o pão do dia. Mas é o deslumbramento que nos faz continuar”, explica.

Há leitores – Ricardo trata-los por leitores, e não clientes – que pedem um livro ocasionalmente e retornam; há leitores que lhe entregam uma longa lista de obras que querem; há colecionadores que lhe confiam o caceio da sua vontade em colecionar mais e mais. Mas todos sabem que no “Sr Teste” não há prazos para a entrega. Um livro pode demorar uma semana a ser descoberto, ou, tantas vezes, meses.

A procura está cada vez mais eficaz. “Eu encontro com facilidade as primeiras edições, os livros raros. Servir os outros é uma honra do caraças! Quando sou bem servido numa livraria, num alfarrabista, ou onde for, eu sei que não estão só a vender por vender, a olhar ao preço, mas estão a passar-me um testemunho. A missão alfarrabista é passar um testemunho.” Ricardo relembra um episódio recente: “Um dia fui a uma biblioteca pessoal, e encontrei o ‘Retrato em Movimento’ do Herberto Helder. Falei dele de novo!? [Risos] Enfim… Não comentei com ninguém que o tinha encontrado. Levei-o para casa, estive a curti-lo, claro, e fui-me deitar. No outro dia de manhã tinha uma mensagem de um leitor – um miúdo de 25 anos absolutamente incrível –, que me diz que está à procura do ‘Retrato em Movimento’.” Herberto tinha morrido dias antes. “Os livros dele vendiam-se, sei lá, a três ou quatro vezes mais do que o que era habitual – e o habitual já era venderem-se a três ou quatro vezes mais do que o que eu vendo. Sabes o que fiz? Vendi-lho. Ele não tinha muito dinheiro, mas vendi-lho. Não faz sentido ver isto só como um negócio, o lucro pelo lucro. Se fosse pelo lucro, abria um restaurante gourmet”, conta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)