A chanceler alemã Angela Merkel deu alguma esperança ao primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, ao não descartar uma eventual mexida nos tratados da União Europeia, num encontro que decorreu esta sexta-feira em Berlim. Merkel mostrou estar disponível para dialogar, avisando contudo que o processo será difícil.

“Sempre que há um desejo, há também um caminho, e este deve ser o nosso princípio orientador”, afirmou a chanceler, à saída da reunião com Cameron. Na mesma onda, Cameron afirmou que “onde há vontade também há caminho e isto já ficou demonstrado muitas vezes na Europa”.

Merkel prometeu, esta sexta-feira, responder de forma “construtiva” às propostas do Reino Unido. “Vale a pena falar sobre o conteúdo, a substância. Também precisamos de falar sobre o que precisa de ser mudado. Mas será que é necessário alterar o tratado, ou pode haver mudanças através de um processo secundário? Mas, claro, se estivermos certos quanto a um conteúdo, a uma substância, então não devemos dizer que mudar o tratado é completamente impossível”, afirmou a chanceler.

Cameron tem apelado à reabertura dos tratados, dizendo que isso permitiria aprofundar a integração da zona euro e, ao mesmo tempo, daria aos britânicos a possibilidade de reaverem alguns poderes cedidos a Bruxelas. Dessas propostas consta o polémico ponto sobre a limitação à circulação de pessoas. Em jeito de aviso, Cameron promete lançar, até 2017, um referendo à saída do Reino Unido da União Europeia, caso a Europa não aceite essa revisão do tratado europeu.

Em relação a esta ameaça, Merkel afirmou que espera que o Reino Unido permaneça na União Europeia.

Estas declarações surgem três dias depois de a imprensa ter noticiado que a França e a Alemanha tinham firmado um acordo para propor uma maior integração dos países do euro, sem mexer no Tratado de Lisboa. O Guardian escreveu que este pacto franco-alemão deverá ser aprovado na cimeira em Bruxelas do próximo dia 25 de junho,