Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um conjunto de militares na reforma dos três ramos das Forças Armadas entregam esta sexta-feira ao Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas as medalhas ganhas em combate na guerra colonial, como forma de protesto pela promulgação do Estatuto dos Militares.

“Este ato tem um significado importantíssimo para os militares pois são medalhas ganhas em situações de guerra. Alguns podiam não estar cá hoje”, afirmou ao Observador o presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas, coronel Pereira Cracel.

O Estatuto dos Militares das Forças Armadas (EMFAR) foi publicado em Diário da República esta sexta-feira, depois de promulgação do Presidente, e é considerado pelos militares como “uma tragédia”. Entre outras medidas, prevê que a idade de passagem à reforma suba dos 65 para os 66 anos, condições mais apertadas para pedir a passagem à reserva, alteração da percentagem de bonificação do tempo de serviço de 15% para 10% e aumento dos tempos mínimos de permanência para a promoção vão ser aumentados em alguns postos.

A AOFA diz que o ato de hoje é “simbólico, em nome dos oficiais, dos outros militares e dos antigos combatentes, em todas as situações, muitos deles sem poderem exprimir o que lhes vai na alma devido às restrições a que são sujeitos os seus direitos de cidadania, no dia em que foi publicada a revisão do Estatuto dos Militares das Forças Armadas”.

“Fazem-no, dando público testemunho do sentimento de profundo descontentamento que essa revisão vem provocar e alertando para as consequências não negligenciáveis sobre as próprias Forças Armadas, de que o Presidente da República é, por inerência, o Comandante Supremo”, acrescenta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR