As autoridades estarão a investigar uma decisão tomada em Conselho de Ministros pelo Governo de José Sócrates no âmbito da Operação Marquês, por se suspeitar que pode ter beneficiado os donos do empreendimento de luxo de Vale do Lobo, entre os quais está o empresário luso-angolano Hélder Bataglia, presidente da ESCOM, segundo o Diário de Notícias.

Na edição em papel desta segunda-feira, o jornal avança que os investigadores terão confrontado José Sócrates com uma resolução do Conselho de Ministros aprovada a 24 de maio de 2007, e que alterava o Plano Regional de Ordenamento do Território para o Algarve (PROTAL) e com ligação desta mudança a transferências de dinheiro em 2008 e 2009 para uma conta na Suíça.

A revisão do PROTAL foi publicada em agosto mas só entrou em vigor em dezembro e sem afetar os projetos já aprovados, com o Ministério Público a investigar se esta demora poderá ter beneficiado o empreendimento de Vale do Lobo, do qual Hélder Bataglia, que segundo o Expresso terá transferido 12 milhões de euros para uma conta na Suíça de um dos arguidos deste processo, é um dos donos.