“Este é o momento dos acusadores”, do juiz de instrução (Carlos Alexandre) e do Ministério Público, afirmou esta quarta-feira, Francisco Proença de Carvalho, o advogado de Ricardo Salgado a propósito do arresto de bens dos ex-administradores do Banco Espírito Santo (BES).

“Também chegará o momento da defesa” e a defesa do ex-presidente do BES não deixará de exercer os seus direitos e denunciar eventuais ilegalidades cometidas neste processo.

Começando por questionar a presença da comunicação social no local das diligências, lembrando que pelas regras da democracia (segredo de justiça) não deveriam estar ali, Proença de Carvalho adianta que ainda terá de analisar se houve ilegalidades no processo.

O filho de Daniel Proença de Carvalho não quis confirmar se o seu cliente é arguido neste processo judicial designado de Universo Espírito Santo – sabe-se apenas que Salgado é arguido no processo Monte Branco – nem se irá impugnar o arresto de bens e património de Ricardo Salgado. Revelou que o ex-presidente do BES acompanhou as diligências que decorreram na sua residência todo o dia em Cascais e elogiou a conduta dos inspetores e outras autoridades que estiveram no terreno.

“A defesa vai-se bater com base em factos e provas” para o apuramento da verdade que levou “ao colapso do BES”, um processo que reconhece vai ser longo. Mas deixa a garantia que o ex-presidente do BES, que qualifica de “um grande homem” vai lutar pela sua defesa e pela descoberta da verdade.