A Avidouro organiza hoje, no Peso da Régua, distrito de Vila Real, uma concentração contra a entrega da gestão privada da Casa do Douro (CD) à Federação Renovação do Douro.

No final de maio, o Ministério da Agricultura e do Mar designou a Federação Renovação Douro (FRD) como a associação de direito privado que sucede à associação pública da CD, depois de um concurso ao qual foram submetidas duas candidaturas, a da FRD e a da Associação da Lavoura Duriense (ALD).

A Avidouro, associada da Confederação Nacional da Agricultura, apoiou a candidatura da ADL e vai agora sair à rua em protesto contra a escolha da Federação, a qual acusa de estar ligada à Confederação dos Agricultores de Portugal.

O objetivo da concentração é reclamar do Governo “a anulação” do despacho nº 5610/2015 do Ministério da Agricultura que “designou a Federação Renovação do Douro, que mais não é que a CAP” e que “representa os grandes interesses do comércio dos vinhos da região”, como a entidade que vai suceder à atual Casa do Douro. A Avidouro vai insistir ainda no “recuo no processo da alteração do estatuto da Casa do Douro, que a transformou numa mera associação de direito privado”.

Criada em 1932, a CD possui uma dívida ao Estado na ordem dos 160 milhões de euros. Para resolver o problema da organização, o Governo preparou um plano que incluía um acordo de dação em cumprimento, de troca de dívida por vinho, e uma alteração legislativa que transformou o estatuto de direito público e inscrição obrigatória em associação de direito privado e de inscrição voluntária. A extinção da dimensão pública da CD concretizou-se a 31 de dezembro.

A Avidouro vai reivindicar também mais “benefício” para a próxima vindima, ou seja a quantidade máxima autorizada de vinho do Porto a produzir em cada campanha, bem como melhores preços pagos à produção para as suas uvas. O protesto começa junto à sede do IVDP e segue depois até ao edifício da Casa do Douro.