Bernard Cazeneuve, ministro da Administração Interna francês, ordenou que a polícia forçasse o encerramento do serviço UberPop em França, depois dos taxistas terem protestado um pouco por todo o país, bloqueando estradas e serviços, conta a BBC. A polícia de intervenção teve mesmo de intervir em Paris, depois de centenas de taxistas terem pegado fogo a pneus e virado alguns carros.

O Governo francês reagiu e o ministro da Administração Interna veio dizer que o serviço UberPop – equivalente a uma partilha de boleias – era “ilegal” e deu ordens para que a polícia e procuradores forçassem o encerramento do serviço. A revolta dos taxistas franceses contra a Uber é visível aqui. Em causa está o facto de terem perdido entre 30 a 40% dos seus rendimentos nos últimos dois anos, por causa da entrada do UberPop no país, alegam.

Em janeiro, o tribunal considerou o serviço ilegal, mas a justiça tem tido dificuldade em encerrar o serviço. Já o UberBlack – o serviço de luxo que também existe em Portugal – não é considerado ilegal e permanece ativo.

Em Portugal, o Tribunal da Comarca de Lisboa aceitou a providência cautelar que a ANTRAL – Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros interpôs contra a tecnológica e ordenou que a empresa encerrasse a atividade no país. Mas a Uber apresentou oposição e manteve-se a operar, justificando que a “notificação não abrangia a atividade da plataforma em Portugal”. Os responsáveis pela Uber já foram ouvidos e aguardam agora decisão do tribunal.

Courtney Love apanhada na confusão conta tudo no Twitter

No meio dos protestos em Paris, esteve Courtney Love, viúva do ex-vocalista dos Nirvana, Kurt Cobain. A cantora norte-americana estava dentro de um veículo da Uber quando carro onde seguia – e o condutor que a levava – foram alvo dos protestos. Com um smartphone em punho, fotografou e filmou tudo.

Num post dirigido ao colega Kanye West chegou a dizer que o melhor seria voltarem para trás. Noutro, afirmou que estaria mais segura em Bagdade, no Iraque, do que em França. E pergunta ao presidente François Hollande onde anda a polícia.

No final, Courtney Love conta que foi salva por dois rapazes e que não acredita que isto aconteceu em França. Dirigindo-se ao presidente François Hollande, diz que adora o povo francês, mas que o seu governo “não presta”. Já esta manhã, perante a decisão dos taxistas de continuarem os protestos, a cantora norte-americana disse que os EUA deviam impedir as pessoas de viajarem para França.

https://twitter.com/Courtney/status/614326807551082496