Lisboa

Lisbon South Bay: a margem sul tem novo nome?

1.558

Almada, Seixal e Barreiro juntaram-se para criar o Lisbon South Bay. A união dos três municípios pretende captar investidores estrangeiros e aumentar as oportunidades de trabalho.

O nome em inglês pretende ajudar na internacionalização

© Hugo Amaral

As câmaras municipais de Almada, Seixal e Barreiro anunciaram esta quinta-feira o nome conjunto dos territórios a sul do rio Tejo que são geridos pela Baía do Tejo. “Lisbon South Bay” pretende “facilitar a promoção internacional dos parques industriais do Barreiro e Seixal, e a Cidade da Água projetada para os terrenos da antiga Margueira, em Almada”, como explica a empresa ao Público.

O nome foi criado depois de mil entrevistas a “entidades e pessoas da região” e toda a informação foi tratado com propósitos de marketing. O facto de estar em inglês pode ajudar a globalizar o projeto e “construir uma região de referência à escala internacional”, diz Jacinto Pereira ao jornal.

A população não teme perda de identidade, garantem os autarcas dos municípios em causa. O presidente da câmara de Almada chega mesmo a fazer uma comparação: “isto está como o Paracetamol para o Ben-U-Ron”, afirma Joaquim Judas. No Barreiro, a opinião é a mesma: de acordo com Carlos Humberto, esta é uma oportunidade de criação de trabalho que as populações não querem desperdiçar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Liberalismo

Subir a Avenida da Liberdade no 25 de Abril

Sérgio Loureiro

Gostava mais se fôssemos subir a Avenida da Liberdade. Subir para chegar a um Portugal e uma Europa melhores. Subir para que a Liberdade seja individual e plena, e não apenas a tolerada pelo Estado.

Cidades

A cena do ódio

Helena Matos

Esse universo de rendas sociais, reguladas e acessíveis ocupa hoje o lugar que a Reforma Agrária desempenhou no século passado: a esquerda acredita que é aí que fará a sua sementeira de votos 

Futuro

Acessibilidade digital e valorização do interior

António Covas

Quando se fala do futuro próximo do interior é bom não esquecer que em 2030 a geração dos nativos digitais já terá pelo menos 30 anos e os ecossistemas digitais serão o quadro de atuação mais comum.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site