Rádio Observador

Agricultura

Marcham de tratores para apelar à regulação urgente da produção de leite e carne

Pequenos e médios exploradores agrícolas de Aveiro promovem uma marcha lenta de tratores para apelar à regulação urgente da produção de leite e carne e evitar o fim da "soberania alimentar" no país.

Organizado pela ALDA - Associação de Lavoura do Distrito de Aveiro, o protesto teve início em Ovar com cerca de 20 veículos e terminou com perto de 40 em Aveiro

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

Proprietários de pequenas e médias explorações agrícolas do distrito de Aveiro promoveram esta sexta-feira uma marcha lenta de tratores, apelando à regulação urgente da produção de leite e carne para evitar o fim da “soberania alimentar portuguesa”.

Organizado pela ALDA – Associação de Lavoura do Distrito de Aveiro, o protesto teve início em Ovar com cerca de 20 veículos e terminou com perto de 40 em Aveiro, onde os manifestantes entregaram à Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro uma carta-aberta alertando para as consequências negativas do fim das quotas leiteiras.

“Na marcha do ano passado o preço do lei estava a uns 37 cêntimos por litro e agora já está a 27”, realçou Albino Silva, presidente da ALDA. “Ao consumidor final o preço até aumentou, mas para nós, descontados os custos de produção, este preço já começa é a dar prejuízo”, afirmou.

Lembrando que desde a adesão à União Europeia, Portugal passou de 35.000 explorações leiteiras para as atuais 1.500, Albino Silva realçou que o que está em causa atualmente é assim “a própria soberania alimentar portuguesa”.

Contestando que a reforma da Política Agrícola Comum tenha sido um sucesso, este responsável defendeu que o programa “foi é uma desgraça que visou a liquidação de milhares de explorações leiteiras”.

“Como é que podem dizer que correu bem quando, ao preço a que nos pagam, o leite está mais barato do que a água?”, questionou o agricultor Domingo Dias. “Está mais barato do que a água com a diferença de que não sai das fontes”, ironizou.

O eurodeputado da CDU Miguel Viegas, que integra a Comissão da Agricultura do Parlamento Europeu, acompanhou o protesto e notou que ao problema do fim das quotas acresce o do embargo da Rússia aos produtos europeus, o que vem diminuindo as exportações de leite.

“O embargo russo foi uma medida política e os agricultores não têm que pagar por isso”, explicou. “A situação já era difícil o suficiente com o fim das quotas leiteiras, que, ao liberalizar a produção, vai esmagar ainda mais os pequenos e médios produtores, portanto é preciso adotar medidas imediatas para compensação do embargo russo e pensar em mecanismos alternativos de regulação da oferta”, declarou.

No mesmo contexto, Albino Silva argumentou que a falha das políticas europeias foi “não terem acautelado a realidade de cada país”. E acrescentou: “A própria Comissão Europeia veio dar-nos razão, ao dizer que não tinham sido acautelados os interesses de todos os produtores e que não se podia permitir preços abaixo do custo de produção”.

José Lobato, presidente da Associação Portuguesa de Produtores de Leite e Carne, também aderiu ao protesto da ALDA, anunciando o lançamento de uma campanha de sensibilização do consumidor final, que diariamente adquire leite sem o devido conhecimento das dificuldades associadas ao seu processo de produção e comercialização.

“A situação vai ser para piorar”, antecipou. “Começaram por arrasar a produção no interior do país, depois acabaram as pequenas explorações e agora são as médias. A seguir vão desaparecer as grandes, que até eram viáveis, mas vão ser ‘comidas’ pelas grandes empresas de outros países”, concluiu.

Na carta que a ALDA dirigiu à Direção Regional de Agricultura e também à Presidência da República, ao Ministério da Agricultura e ao Parlamento, os agricultores reivindicam “a regulação pública urgente da produção do leite, o fim da especulação relativa ao preço dos fatores de produção, mais apoio na sanidade animal (…) e o fim da ditadura comercial dos hipermercados, para mais segurança e melhores preços no escoamento dos produtos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)