O número de vítimas mortais resultante da queda de um avião militar na Indonésia foi atualizado para 113, de acordo com o publicado na Al Jazeera, o que veio comprovar as estimativas da Reuters.

De acordo com a agência noticiosa francesa AFP, que está a citar as autoridades, este não é ainda um balanço definitivo, pelo que poderá vir a aumentar o número de vítimas resultante do acidente ocorrido hoje, quando uma avião da Força Aérea da Indonésia se despenhou numa área residencial da cidade de Medan, na ilha de Samatra.

O acidente aconteceu pouco após a descolagem, com o avião a explodir numa bola de fogo, matando pelo menos 113 pessoas, de acordo com o relato da AFP.

O avião caiu numa cidade com dois milhões de habitantes na ilha de Samatra, provocando grandes danos em edifícios e reduzindo carros a labaredas.

Uma grande operação de resgate foi entretanto montada, com ambulâncias a retirar corpos do local do acidente, enquanto uma multidão de residentes ansiosos circunda o cordão policial para ver o que se passa.

Novi, que trabalha numa escola internacional perto do local do acidente e que se identificou apenas com um nome, disse que ouviu o avião e, da janela do escritório, viu que voava muito baixo, antes de cair.

“Foi muito assustador”, contou à AFP, acrescentando que se dirigiu ao local com os colegas, mas que as colunas de fumo se apresentavam “muito más”.

Outro residente local, Januar, 26 anos, afirmou que o avião parecia em apuros mesmo antes do acidente.

“Vi o avião na direção do aeroporto e já estava instável, depois vi o fumo a espalhar-se”.

Trinta e oito corpos, incluindo o de uma criança, foram até agora transportados para o hospital em Medan, indicou Eko Triandi, um responsável da Cruz Vermelha que prestava assistência às equipas de emergência.

“Com base nos relatos, ainda há muitas vítimas no terreno”, acrescentou.

Ainda não é claro quantas vítimas seguiam no avião, um Hercules C-130 do exército, e quantas se encontravam em terra.

A tripulação do avião, que transportava mantimentos militares para bases aéreas, era composta por três pilotos, um navegador e oito técnicos.