438kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Hábitos. Mais livros, mais computadores e mais espetáculos

Este artigo tem mais de 5 anos

Desde 2008, que não havia tantos espetáculos. Os livros publicados também estão perto do máximo histórico. E o número de famílias com computador continua em crescimento. Serão tudo boas notícias?

i

©Andreia Reisinho Costa

©Andreia Reisinho Costa

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em 2011, ainda Pedro Passos Coelho e José Sócrates se digladiavam na arena das legislativas e já a intenção do PSD de extinguir o Ministério da Cultura fazia correr muita tinta – Manuel Maria Carrilho, ex-tutelar da pasta, chegou a dizer na altura que seria um “certidão de óbito” passada a um setor que “está completamente morto há muito tempo”. A verdade é que, desde 2008, e depois de uma quebra acentuada durante o período da intervenção da troika, que os indicadores não eram tão positivos. Há mais espetáculos, livros publicados e computadores em casa dos portugueses. Será sinónimo de recuperação económica?

Miguel Tamen, professor e diretor do Programa em Teoria da Literatura na Universidade de Lisboa, acredita que “não tem qualquer fundamento relacionar estes dados com a evolução da conjetura económica”.

E começa por dar o exemplo da rubrica dos agregados familiares com computador, com ligação à Internet e com ligação à Internet através de banda larga. Em 2014, esses valores fixaram-se na casa dos 65%, uma evolução muito significativa face a 2002, quando apenas 26,9% dos portugueses tinham computador em casa, 15,1% tinham acesso à Internet e a ligação de banda larga nem sequer era contabilizada. De 2011 para cá, no entanto, o valor tem oscilado pouco: em 2011, o número de famílias com computadores em casa era de 63,7%; em 2014, o valor fixou-se nos 68%.

Para Miguel Tamen, tal pode significar apenas que atingimos, neste momento, “um máximo natural” que não tem que ver com a “tal diminuição do rendimento disponível”. Também Pedro Mexia, cronista e crítico literário, prefere não estabelecer qualquer relação entre este “abrandamento” e os bolsos dos portugueses – “suponho que tal deve acontecer com qualquer bem ou serviço, é quase universal”, acrescenta.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As dúvidas de Tamen acentuam-se quando o assunto é o crescimento dos espetáculos ao vivo em Portugal. De acordo com os dados do Pordata, só em 2013 – o último ano que consta no portal – é que o país se conseguiu aproximar dos máximos históricos registados em 2008. Há dois anos o país teve 29 mil espetáculos, entre exibições de teatro, concertos e outros eventos artísticos ao vivo, com uma média de 9 mil espetadores por sessão. “[Ora], é preciso perceber quantos são pagos pelo público e quantos são pagos pelos contribuintes direta ou indiretamente”, antes de tirar qualquer conclusão, explica o diretor do Programa em Teoria da Literatura na Universidade de Lisboa.

Pedro Mexia adianta outra hipótese: “Essa é uma das áreas que acaba por ser menos afetada pela crise”, começa por explicar o comentador, antes de dar o exemplo dos festivais, que estão, em parte, a “compensar a perda de contacto” dos consumidores com a música. Os festivais de verão, assim como acesso à música através da Internet, são a nova forma viver a música, quando antes essa ligação se fazia através do consumo de CDs, cassetes e vinis.

Entre computadores e espetáculos, também a publicação de livros e de publicações periódicas está a crescer a um ritmo positivo, ultrapassada a crise dos primeiros anos de governação de Passos Coelho. Se em 2012 o número de títulos registados no âmbito do Depósito Legal foi o terceiro mais baixo de que há registo – só 2000 e 2001 tiveram valores inferiores -, em 2014, o valor está próximo dos máximos históricos registados em 2008 – 17.223 e 17.778, respetivamente. Isso significa que, superada a crise, os portugueses têm mais dinheiro para comprar livros e ler jornais? Não necessariamente, concordam Miguel Tamen e Pedro Mexia.

“Estes números dão logo uma tentação enorme de os correlacionar com a evolução da economia. Mas devemos ser mais cautelosos nessa análise”, avisa Miguel Tamen. Primeiro, porque é preciso perceber que títulos são “produzidos por editoras comerciais, pelas editoras institucionais e pelos próprios autores – há muitas editoras que já exigem aos autores que paguem para publicar os livros”.

Tal como Tamen, também Mexia acredita que estes números devem ser analisados à luz “da democratização da autoria”. “Hoje em dia é quase vergonhoso não escrever um livro. Qualquer figura pública [que se preze] tem de escrever um livro”. Uma eventual ligação entre o aumento da publicação de livros e de publicações periódicas e o alívio da crise portuguesa “levanta, [por isso], muitas dúvidas”, explica Mexia. Não pode também ser excluído “o facto de a publicação de livros e jornais se terem tornado tecnologicamente mais baratas”, acrescenta Tamen.

De resto, o diretor do Programa em Teoria da Literatura na Universidade de Lisboa tem uma visão que, diz, não responde a uma tendência mais generalizada entre muitos sociólogos, que olham para a cultura como os primeiros anéis a saírem dos dedos quando a crise atinge os bolsos dos portugueses. “Não é para mim nada claro que os hábitos culturais sejam [meramente] hábitos ornamentais. Há pessoas com poucos rendimentos que vão ao teatro e quem compram livros [e até] A Bola; e há outras pessoas com mais rendimentos que nunca compram jornais”, justifica.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.