Almoçar e jantar em restaurantes premiados, daqueles que exigem meses de espera para conseguir uma única reserva e ficar a par de duas gastronomias singulares na companhia de um dos chefs portugueses mais conhecidos. Eis a proposta da agência turística Pinto Lopes que, depois de ganhar jeito a convidar escritores, maestros e jornalistas para as suas viagens de autor, optou por adicionar ingredientes extras a uma receita de sucesso.

“Foi a Pinto Lopes que me abordou. Ligaram-me, explicaram-me o conceito e lançaram-me o desafio. Pensei nos sítios e nos restaurantes”, conta Henrique Sá Pessoa ao Observador, que agora se estreia enquanto guia de viagens gastronómicas. Feita a proposta, coube ao chef com cerca de 20 anos de carreira e muitos quilómetros na bagagem escolher dois destinos onde comer bem é o pão nosso de cada dia — País Basco e Copenhaga foram os eleitos.

“O País Basco é um sítio onde me revejo muito em termos de produto. Num sentido geral, foi um dos melhores locais onde já comi, tanto na cozinha de rua como na de autor. Já Copenhaga é um destino onde nunca estive, mas que conheço bem através dos media”, explica, ao mesmo tempo que caracteriza a cozinha de ambos os locais: se no País Basco a cultura gastronómica é centenária, a nórdica/dinamarquesa é uma tradição recente (à exceção da pastelaria) que tem como embaixador René Redzepi, o homem por detrás da cozinha do afamado Noma.

geranium copenhaga

O Geranium, em Copenhaga, com duas estrelas Michelin, será um dos locais visitados.
(foto: facebook.com/restaurantgeranium)

Ainda que o itinerário não contemple uma refeição no Noma — restaurante que, segundo Sá Pessoa, tem o condão de inspirar os hábitos gastronómicos dos nórdicos –, há outras experiências que fazem parte do programa de festas em Copenhaga.

Na capital dinamarquesa há a possibilidade de jantar no restaurante d’Angleterre Marchal — detentor de uma estrela Michelin desde março de 2014 e com o conceituado chef Ronny Emborg no comando das operações — e também no Geranium, com duas estrelas e que até há pouco tempo integrou a lista dos melhores 50 restaurantes do mundo (este ano está na posição número 51). Mas como o desafio não implica apenas estar sentado à mesa, há também uma visita a Torvehallerne, o maior mercado de alimentos da cidade que todas as semanas recebe cerca de 60 mil pessoas.

Com a fasquia tão elevada, não é de estranhar que a viagem a Espanha inclua um desvio a San Sebastián, a cidade com mais estrelas Michelin por metro quadrado, assegura o chef. Ali, onde a vida das gentes gira em torno da arte de bem comer, Sá Pessoa vai dar uma aula teórico-prática com o chef Mikel Gallo, do Ni Neu, cuja cozinha fresca aposta em produtos da época confecionados com técnicas vanguardistas — o workshop tem por base receitas de nuestros hermanos e foca-se sobretudo nos pintxos (como quem diz pequenos canapés).

azurmendi

O belíssimo Azurmendi, nos arredores de Bilbau, faz parte do roteiro ao País Basco. 
(foto: www.azurmendi.biz)

Melhor do que isso só mesmo uma refeição no Azurmendi, isto a julgar pelas três estrelas que o restaurante leva coladas à ementa. E se a distinção não ofuscar todas as dúvidas, pode-se sempre relembrar que foi considerado o melhor restaurante da Europa em 2015 pelo guia OAD (Opinionated About Dining), que o espanhol El Mundo garante ser um dos índices de classificação mais prestigiados do mundo. Uma vez em Bilbau, está garantido o almoço no restaurante Etxebarri, uma proposta para quem aprecia pratos grelhados no carvão.

Sá Pessoa promete ser muito mais do que um guia e um chef que, volta e meia, vai arregaçar as mangas e cozinhar para quem com ele viaja. Durante os dias além-fronteiras, e que incluem passagens pelos principais pontos turísticos, o cozinheiro vai responder a dúvidas e partilhar histórias — é provável que recue no tempo e se aventure a contar que, em criança, não tinha grande apetite e não gostava particularmente de comer, ou que saiu de Portugal sem saber cozinhar, ao contrário do que acontece com muitos outros chefs. O certo é que “tudo o que as pessoas fizerem, eu faço com elas. Eu vou ser o contador de histórias destas experiências.”

pratos_sa_pessoa

Os pratos criados por Sá Pessoa inspirados nas visitas que vai fazer. (© Sebastião Almeida/Observador)

Em fotogaleria ficam duas receitas recriadas por Sá Pessoa, alusivas tanto à gastronomia do País Basco como à dinamarquesa, respetivamente. A descrição dos ingredientes segue abaixo:

1. País Basco: Merluza (pescada) ao Pil Pil com salsa e coentros, para quatro pessoas, com os seguintes ingredientes:

  • 600gr de pescada sem espinha cortada em pedaços
  • 2 colheres de sopa de salsa picada
  • 2 colheres de sopa de coentros picados
  • 3 dentes de alho laminado
  • 2 malaguetas secas
  • azeite q.b

2. Copenhaga: Truta marinada com batata, pickle de cebola roxa e molho de mostarda e limão, para quatro pessoas, com os seguintes ingredientes:

  • 600gr de truta salmonada em filetes sem espinhas
  • 400gr de batatinha cozida
  • rama de funcho q.b
  • Para o pickle de cebola roxa: 1 cebola roxa laminada, 2 colheres de sopa de vinagre, 1 colher de chá de sal, 1 colher de chá de açúcar e 2 colheres de sopa de agua
  • Para o molho de mostarda: 6 colheres de sopa de creme fraiche, 1 colher de chá de raspa de limão, 2 colheres de chá de mostarda antiga, sal q.b, 1 colher de sopa de rama de funcho picado
  • Para marinar a truta: 3 colheres de sopa de vinagre e 9 colheres de sopa de água fria

Viagem ao País Basco: A partir de 1.535 euros por pessoa em quarto duplo; 1 a 4 de outubro de 2015.

Viagem a Copenhaga: A partir de 2.285 euros por pessoa em quarto duplo; 11 a 14 de outubro de 2015.

Os preços excluem bebidas às refeições.