Rádio Observador

Wimbledon

Ufa, foi por pouco Djokovic

Perdeu os dois sets, empatou, viu o jogo ser adiado por falta de luz para, só esta terça-feira, ganhar. Kevin Anderson deu "talvez o jogo mais difícil da carreira em Wimbledon" a Novak Djokovic.

O número um do ranking ATP seguiu para os quartos-de-final de Wimbledon, Grand Slam que já venceu duas vezes (2011 e 2014). Mas só depois de derrotar Kevin Anderson no último set do encontro, que foi jogado em dois dias distintos

GLYN KIRK/AFP/Getty Images

Autor
  • Diogo Pombo

É errado e não se deve fazer. As etiquetas caem a mal a toda a gente, ainda para mais quando elas se colam apenas por culpa do que os olhos veem. Quando se tem Kevin Anderson à frente, vê-se um grandalhão, mais com corpo de lutador do que de tenista, que um dia decidiu ser jogador com uma raquete na mão. A altura (2,03m) e o peso (89kg) dão pistas para o que o sul-africano mostra cada vez que entra num court: bate na bola com força, é um ás nas pancadas de direita, multiplica os ases no serviço e os ângulos das suas pancadas são tão abertos como a envergadura dos seus braços.

Mas, olhando para ele, sem o conhecer, a etiqueta que lhe podem colocar é a de um tenista tosco, com um tamanho impraticável para o ténis, que compensa em força o pouco que tem em jeito para pancadas de mestre. Nada disso. Kevin serve com força e é amigalhaço do serviço, sim — consegue 30 ases em, mais ou menos, duas horas –, mas também sai do fundo do court, cola-se à rede e mostra que tem destreza e suavidade nos pulsos. O adversário mal pode com isto e, durante muito tempo, encolhe-se. Novak Djokovic perde dois sets seguidos.

Sim, o campeão em título de Wimbledon, o sérvio que já ganhou oito torneios do Grand Slam (cinco Opens da Austrália, dois torneios de Wimbledon e um US Open), o líder do ranking mundial, fica à rasca nos dois primeiros sets. Não por jogar mal, nada disso. Djokovic corre, devolve bolas, estica-se todo para dar mais centímetros ao alcance da raquete e dá trabalho a Kevin Anderson, número 12 do ranking. Mas o sul-africano dá-lhe muito mais trabalho a ele. O gigante conquista os dois primeiros sets no tie-break — 6-7(6), 6-7(6) — e o sérvio parece que não se consegue adaptar ao que vem do outro lado da rede: 22 ases, 38 winners e 17 pontos ganhos em 27 subidas à rede.

Toca o alarme de emergência. Djoker (alcunha pela qual Novak é conhecido no circuito), por isso, concentra-se e puxa pela cabeça para transformar a derrota nos dois sets em lições por aprender. Assim parte em busca da reviravolta. Começa a consegui-la quando percebe como anular as subidas à rede de Anderson (muitas bolas batidas para os pés do sul-africano) e a obrigá-lo a correr mais no fundo do court. As pancadas puxadas e colocadas aparecem e o sul-africano sofre. Djokovic demora 24 minutos a fechar o terceiro set, em 6-1. No quarto, o sérvio continua a pressionar Anderson e, embora com menos quebras de serviço, também vence por 6-4.

O sérvio renasce, está lançado e Anderson parece mirrar em energia e confiança. O embalo, agora, é de Djokovic, mas o sérvio tem que o guardar até esta terça-feira. Porque tudo o que até agora foi escrito aconteceu no dia anterior — quando Novak empatou o encontro eram já 21h em Wimbledon e court nº1 do complexo não tinha luz artificial. A organização do torneio não quis jogar o set que faltava no court central à noite. “Não havia urgência em terminar o jogo nesse dia”, justificou, no Twitter. Por isso, o encontro foi retomado esta tarde enquanto o restante quadro masculino tinha direito a um dia de descanso.

Tudo estava marcado para recomeçar às 13h, mas o jogo atrasou porque os chuviscos também apareceram à hora marcada. Quando deixaram de cair, o último set do encontro arrancou e o equilíbrio notou-se. O serviço de Anderson ainda atropelava Djokovic como camião a alta velocidade e, quando era Novak a servir, Kevin andava a sprintar no fundo do court. Só quando o campeão de Wimbledon fez o 6-5 é que se viu um break, o tal que empurrou o sérvio até à vitória.

Assim que o sul-africano atirou a última bola para fora do court, Djokovic olhou para o céu, levantou os braços e prolongou um suspiro cheio de alívio. “Foi talvez o jogo mais complicado da minha carreira aqui em Wimbledon. Tinha sido merecido se o Kevin tivesse vencido”, admitiu, no final, o sérvio, que agora vai defrontar o croata Marin Cilic, vencedor da última edição do US Open, nos quartos-de-final. Lutar, lutar e lutar, só assim Novak Djokovic se conseguiu manter vivo na relva de Wimbledon.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)