Rádio Observador

Economia

Portugal e a União Europeia. Ambiente é o melhor, demografia é o pior

No balanço dos 30 anos na União Europeia, é avaliada a posição portuguesa face aos parceiros em nove retratos. Portugal tem boa nota no ambiente e chumba a demografia e desenvolvimento inteligente.

CARLOS BARROSO/LUSA

Onde é que Portugal mais ganha e mais perde na comparação com os parceiros da União Europeia? A melhor nota é conseguida no ambiente, onde o país ocupa o quinto lugar, as piores classificações são obtidas na demografia e no desenvolvimento inteligente, onde Portugal ocupa o penúltimo lugar nos 28 países da UE.

Os nove retratos sobre a realidade económica e social portuguesa e europeias têm por base o ano de 2013 e são constituídos a partir da arrumação dos 50 indicadores analisados no estudo Três Décadas de Portugal Europeu: Balanços e Perspetiva, coordenado por Augusto Mateus para a Fundação Francisco Manuel dos Santos, que é apresentado esta quarta-feira. Estes indicadores procuram avaliar como Portugal evoluiu nos 30 anos de adesão à União Europeia (Portugal entrou em janeiro de 1986 para a então Comunidade Económica Europeia) num conjunto vasto de áreas que vai desde a produtividade e dos salários, até à demografia, família e finanças públicas, passando por empresas e investimento.

Para cada um destes indicadores, foi avaliada a evolução da performance e situação portuguesas nos últimos 30 anos. A partir daqui são construídos nove retratos, que são também “pilares estratégicos”, onde é feita a comparação com o posicionamento atual e a evolução registada pelos restantes parceiros europeus, em três momentos, 1999, que marca o arranque do euro, 2007, o último ano limpo da crise financeira, e 2013.

Uma das conclusões que ressalta do estudo é a degradação do nível de qualidade de vida em relação a 1999, o que resulta sobretudo da evolução negativa ao nível dos rendimentos, fator que trava as evoluções positivas nas condições de saúde, propensão ao consumo e conforto da habitação. Portugal ocupa o 17º lugar ao nível da União Europeia. A Grécia é o único país que tem uma pior performance.

A melhor nota portuguesa, é obtida no item ambiente e coesão territorial do capítulo desenvolvimento sustentável, onde o país ocupa o quinto lugar, numa lista que é liderada por Malta e onde Espanha está em segundo. É sobretudo o bom desempenho ao das emissões de CO2, graças a uma economia com pouca indústria e à aposta nas energias renováveis, que colocam Portugal num lugar tão cimeiro deste ranking, já que a performance nos capítulos da coesão territorial e o povoamento é mais baixa.

Do melhor para o pior. A demografia é uma das rubricas do desenvolvimento sustentável onde Portugal tem um pior desempenho comparativo com os parceiros europeus, ocupando o penúltimo lugar, apenas acima do Chipre. Esta performance “revela as fragilidades de Portugal ao nível do envelhecimento da população, da baixa taxa de natalidade e das dinâmicas migratórias negativas (mais gente a sair que a entrar”. O estudo conclui que se verificou nesta área “um claro agravamento em relação a 1999 e 2007”.

O desenvolvimento inteligente é outro indicador onde o retrato português fica mal na comparação europeia, ocupando também o penúltimo lugar, acima apenas da Roménia. Esta nota negativa é “fortemente influenciada pelos baixos níveis de habilitação da população”, onde Portugal apresenta a pior performance, apesar da melhoria, que limitam o desempenho mais positivo ao nível da evolução da despesa com educação e investigação e desenvolvimento. Uma insuficiente utilização dos transportes públicos e a fraca, em termos comparativos, difusão da Internet, são outros itens que empurram para baixo a classificação portuguesa.

Posição de Portugal no ranking dos 28 países da UE

  • 1. Qualidade de Vida: 17
  • 2. Desenvolvimento inteligente: 27
  • 3. Ambiente e Coesão Territorial: 5
  • 4. Eficiência Económica:22
  • 5. Estabilidade Financeira: 26
  • 6. Relevância Económica do Estado: 21
  • 7. Demografia: 27
  • 8. Desenvolvimento inclusivo: 23
  • 9. Inserção Internacional: 17

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias
111

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)