O Montepio vai ser inspecionado pela Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), de acordo com a notícia avançada, esta tarde, pela edição online do jornal Sol, e confirmada pela própria CMVM. Em comunicado, o supervisor da bolsa avançou que estão programadas 12 ações de supervisão a intermediários financeiros este ano.

Em reação às notícias que foram sendo publicadas ao longo da tarde de hoje, a CMVM explicou que “estabelece anualmente um plano programado de ações de supervisão presencial a intermediários financeiros”, acrescentando que “a ação de supervisão presencial agora noticiada enquadra-se numa dessas ações anuais programadas e sem caráter extraordinário”.

Essa supervisão das atividades de intermediação financeira pode ser presencial (decorrendo nas instalações dos intermediários financeiros) ou à distância (ações temáticas que têm por base a análise de informação que os intermediários financeiros reportam à CMVM).

“Em 2014, a CMVM realizou 18 ações de supervisão presencial, constando do plano para este ano pelo menos 12 ações desse tipo”, concluiu o supervisor da bolsa, em comunicado.

O Sol adiantou, esta quinta-feira, que, no caso do Montepio, o regulador quer avaliar os sistemas de prevenção de branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo.

No oficio enviado à instituição bancária, a que este jornal teve acesso, o supervisor esclarece que a supervisão irá incidir sobre os sistemas de controlo interno, a prevenção do branqueamento de capitais e financiamento ao terrorismo, o conflito de interesse, a avaliação do caráter adequado das operações, a consultoria para investimento (serviço prestado ao Montepio Geral – Associação Mutualista), a informação pré-contratual a investidores, a categorização de clientes, a informação sobre o serviço prestado, a salvaguarda dos instrumentos financeiros de clientes, a receção e transmissão de ordens e a colação em ofertas públicas.

Algumas dessas áreas já foram alvo de inspeção na auditoria especial realizada pelo Banco de Portugal ao Montepio.