Rádio Observador

Conselho das Finanças Públicas

Défice público aquém do previsto para o primeiro trimestre de 2015

O défice observado no primeiro trimestre "situa-se 3,1 pontos percentuais acima do objetivo estabelecido pelo Ministério das Finanças para o ano de 2015".

Teodora Cardoso lidera o Conselho das Finanças Públicas

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

No primeiro trimestre de 2015, “as administrações públicas apresentaram um défice primário de 0,7%” do produto interno bruto (PIB) “e um défice global de 5,8% do PIB trimestral”. Registou-se, em ambos os casos, “uma melhoria de 0,1” pontos percentuais do PIB, em termos homólogos, “mas aquém do previsto”, refere o Conselho das Finanças Públicas (CFF) no relatório sobre os primeiros três meses de 2015, divulgado nesta quinta-feira.

O défice observado no primeiro trimestre, afirma o documento, “situa-se 3,1 pontos percentuais acima do objetivo estabelecido pelo Ministério das Finanças para o ano de 2015” e que é de 2,7% do PIB. “Este facto deve constituir um alerta”, avisa o CFF, liderado pela economista Teodora Cardoso, “mas não é necessariamente indicativo do desempenho esperado para o conjunto do ano, dado que a evolução anual de alguns agregados orçamentais mais influentes no saldo, como é o caso da receita fiscal, não é diretamente extrapolável a partir da observação no primeiro trimestre” do ano.

Sobre as receitas arrecadas pelos cofres públicos no período em causa, registaram “uma evolução homóloga menos favorável do que o objetivo anual fixado”, de 3,5% e 4,6%, respetivamente, impulsionada pelo comportamento da receita fiscal, que aumentou 4,3%, e das contribuições sociais, que subiram 4,6%.

“Nos primeiros três meses de 2015 a despesa pública ajustada cresceu 3,1% em termos homólogos”, um valor considerado “ligeiramente acima do previsto para o conjunto do ano (2,9%) e determinado essencialmente pela despesa primária, com um aumento homólogo de 3,2%”. o CFF assinala que “metade deste crescimento da despesa primária deveu-se à evolução da ‘outra despesa de capital’ e do ‘consumo intermédio’, este último influenciado pelo aumento dos encargos com PPP”.

“A despesa com pessoal também contribuiu para o aumento da despesa, devendo, no entanto, abrandar o seu crescimento nos próximos trimestres, refletindo o efeito de base decorrente da reversão integral da redução remuneratória aplicável aos funcionários públicos, que vigorou entre junho e setembro de 2014”, indica o Conselho.

stock da dívida pública no primeiro trimestre aumentou em 643 milhões de euros, mas verificou-se uma redução do rácio da dívida pública, que “terminou o período em 129,6% do PIB”. O “aumento nominal foi essencialmente justificado pelo défice orçamental, uma vez que os ajustamentos défice-dívida contribuíram para reduzir a dívida pública neste trimestre”. Alcançar as “metas para o rácio da dívida pública estabelecidas no Programa de Estabilidade para o final de 2015 (124,2% do PIB) implica ainda uma diminuição em cerca de 5,4 pontos percentuais do PIB até ao final do ano e de 4,7 mil milhões de euros em termos nominais”, adianta o CFF.

Documentos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)