A fortuna acumulada pelos dez multimilionários mais ricos de França ascende a 194.400 milhões de euros, muito acima dos 179.081 milhões do Produto Interno Bruto da Grécia em 2014, publicou a revista “Challenges”.

O primeiro lugar desta classificação daquela revista económica é ocupado pelo empresário Bernard Arnault e pela sua família, que controlam o grupo de produtos de luxo LVMH (Louis Vuitton, Loewe, Dom Pérignon, Chandon, entre vários outros) e somam um património líquido de 34.700 milhões de euros.

No segundo lugar da classificação está a herdeira do império L’Oréal, Liliane Bettencourt, cuja riqueza ascende a 30.900 milhões de euros.

O empresário Axel Dumas, chefe do grupo de luxo Hermès, ocupa o terceiro lugar da tabela e possui um património estimado em 24.100 milhões de euros.

Seguem-se o “patrão” da empresa de grande distribuição Auchan, Gérard Mulliez (23.000 milhões de euros) e o industrial aeronáutico e proprietário do consórcio que fabrica as casas Raffale e do clube de futebol Nantes Atlantique, Serge Dassault (17.500 milhões de euros).

Na sexta posição da tabela encontra-se o único membro novo entre os dez mais ricos de França, Patrick Drahi, presidente da operadora de telecomunicações Numericable, com 16.700 milhões de euros, à frente dos 16.500 milhões dos irmãos Alain e Gérard Wertheimer, chefes da casa de alta costura Chanel, que se encontram, assim, na sétima posição.

Nas oitava e nona posição, respetivamente, encontram-se François-Henri Pinault, herdeiro do império que controla marcas como a Gucci e Puma, entre outras, e o magnata Vincent Bolloré, proprietário do grupo homónimo, com interesses nos transportes e nos meios de comunicação.

A encerrar a tabela dos dez mais ricos de França encontra-se Xavier Niel, chefe do grupo Illiad, que nos últimos 15 anos revolucionou o setor das telecomunicações em França, através das ofertas de baixo custo da sua marca ‘Free’.

Para a elaboração desta classificação, a revista “Challenges” recorre a “uma equipa multidisciplinar”, com especialistas em capital de risco, valoração de empresas e transações setoriais, que examinam o património, receitas e participações em empresas de 3.000 “pessoas-chave” na vida económica francesa.

Os “500 ricos” de França somam 460.000 milhões de euros em património, um valor cinco vezes superior à fortuna que acumulavam em 1996, quando a revista económica “Challenges” publicou o seu primeiro índice, recorda aquela publicação.