O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido aconselhou todos os cidadãos britânicos a abandonarem imediatamente a Tunísia, avança a BBC. Num comunicado divulgado esta quinta-feira, o Ministério defende que todas as viagens “desnecessárias” devem ser evitadas e que as autoridades tunisinas podem não ter capacidade para conter um novo ataque terrorista, “altamente provável”.

No texto, publicado no site do Governo britânico, o Ministério garante não existir “nenhuma informação que sugira uma ameaça eminente ou específica”. Apesar disso, e dado o panorama atual, afirma ser “altamente provável” a existência de novos atentados terroristas, especialmente em resorts turísticos.

“Desde o ataque terrorista em Sousse que temos vindo a trabalhar diretamente com as autoridades tunisinas, na investigação do ataque e de outras ameaças” na Tunísia. “Apesar da cooperação do governo, incluindo para por em prática medidas adicionais de segurança, a ameaça cresceu consideravelmente, reforçando a nossa opinião de que um novo ataque é altamente provável”, refere o comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

Para além disso, o Governo acredita que as medidas postas em prática não fornecem uma “proteção adequada aos nossos turistas na Tunísia”, aconselhando todos os britânicos a abandonarem o país o mais depressa possível. Para tal, todos os turistas devem entrar em contacto com as agências de viagem e planearem a viagem de regresso através de uma companhia aérea comercial.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros está a trabalhar diretamente com as agências de modo a garantir que todos os turistas regressem ao Reino Unido em segurança e o “mais depressa possível”. Todas as viagens desnecessárias estão a ser desaconselhadas.

“Se está na Tunísia e não tem necessidade de permanecer [no país], deve sair por meios comerciais. Os operadores turísticos estão a organizar novos voos e partidas para os seus clientes”.

O Observador contactou o Ministério dos Negócios Estrangeiros português, que garantiu que, para já, não haverá alterações em relação aos cuidados recomendados a quem viaja para fora da União Europeia.

No passado dia 26 de junho, dois ataques terroristas em dois resorts na Tunísia vitimou 38 pessoas e fez 36 feridos. A maior parte das vítimas eram cidadãos de nacionalidade britânica. Apesar do alerta divulgado esta quinta-feira pelo Ministério, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, garantiu inicialmente que era seguro viajar para a Tunísia.

Estima-se que cerca de três mil turistas britânicos estejam atualmente na Tunísia.

Tunísia quer construir muro para impedir ameaça terrorista

Esta semana, o Governo tunisino anunciou a construção de um muro ao longo da fronteira líbia, de modo a conter a ameaça jihadista. De acordo com a BBC, acredita-se que o autor do atentado em Sousse tenha recebido treino na Líbia com o grupo Ansar al-Sharia, com ligações ao Estado Islâmico.

Numa entrevista à televisão tunisina, o primeiro-ministro da Tunísia, Habib Essid, explicou que o muro terá 160 quilómetros e vários pontos de vigilância ao longo da fronteira. A sua construção deverá estar completa no final de 2015.