O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional garantiu esta sexta-feira que o montante do quadro comunitário Portugal 2020 destinado à contratualização com os municípios é o maior de sempre, apesar de ser insuficiente para as necessidades das autarquias.

“Nunca, na história portuguesa, foi programado tanto dinheiro para ser gerido fora de Lisboa como no Portugal 2020, e nunca tanto dinheiro vai ser contratualizado com os municípios como está a ser no âmbito do Portugal 2020”, alegou Castro Almeida.

Durante a apresentação dos vencedores do concurso de ideias de negócio ‘Wanted Business Ideas’, que decorreu ao final da tarde em Viseu, o presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, José Morgado, apelou ao representante do Governo para que a verba destinada aos municípios possa vir a ser “generosamente melhorada”.

“É urgente alocar mais recursos financeiros às comunidades e aos municípios, que já deram provas que são bons executores de fundos comunitários”, sustentou.

Em resposta ao presidente da CIM Viseu Dão Lafões, Castro Almeida reconheceu que, apesar de esta ser a maior contratualização de sempre com os municípios, os montantes serão escassos para as necessidades das autarquias.

“É evidente que o que vai ser contratualizado é garantidamente menos do que as necessidades das autarquias: isso acontece sempre, e é bom que aconteça para que haja seletividade. A relação de candidaturas para a dotação disponível é muitas vezes de um para seis, de um para sete, ou um para oito”, acrescentou.

De acordo com o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, “é natural que haja mais intenções de investimento do que recursos disponíveis para investir”.

Castro Almeida sublinhou que a verba a contratualizar será de 1.850 milhões de euros, “mais 30 por cento do que há sete anos”.

“Este valor não é muito nem é pouco, mas se disser que é mais 30 por cento do que há sete anos, fica-se com ideia de que estamos a dar passos no bom sentido, de que estamos a reforçar a contratualização com os municípios e comunidades intermunicipais”, considerou.

O evento foi encerrado com o anúncio dos três vencedores do concurso de empreendedorismo “Wanted Business Ideas”, promovido pela CIM Viseu Dão Lafões, que contou com 97 candidaturas.

O primeiro lugar foi entregue a quatro jovens que têm como proposta de negócio um software de apoio à gestão hoteleira, que determina o preço adequado às diferentes variáveis que condicionam o dia-a-dia da gestão de uma unidade hoteleira.

Mário Mouraz, João Feliciano, Hugo António e Pedro Lito receberão um prémio no valor de 10 mil euros, incubação durante 24 meses numa unidade do território Viseu Dão Lafões, beneficiando, gratuitamente, dos serviços dessa incubadora, além de um plano de capacitação em modelos de negócios, finanças, internacionalização, marketing, entre outras áreas.

O segundo lugar foi atribuído a dois jovens que pretendem produzir frangos de carne negra para satisfazer a procura asiática e a introdução na restauração gourmet; enquanto que o terceiro prémio foi entregue a um projeto que visa o desenvolvimento e a comercialização de um sistema de controlo de gado.

Os segundo e terceiro classificados foram premiados com a possibilidade de serviço de incubação em formato idêntico, de 18 e 12 meses, respetivamente.