O surfista havaiano Garrett McNamara desenhou uma prancha em cortiça que está em produção pela Mercedes-Benz Portugal e pela Corticeira Amorim para funcionar como “um tapete mágico” em ondas de dimensões extremas.

A parceria entre as três entidades tem como objetivo conceber a curto prazo novos modelos de pranchas “tow-in”, que são vocacionadas para surfar ondas de alturas como as da Nazaré, mas se pretendem agora aptas a elevações ainda maiores.

“Eu acredito no uso da tecnologia para segurança e sobrevivência”, declarou o surfista à Lusa. “Criar uma prancha que é melhor, que consegue resistir ao choque e que é ecologicamente sustentável é um sonho tornado realidade”, afirmou.

Garrett McNamara defende que o potencial da nova prancha resulta sobretudo do seu núcleo “100% em cortiça” e recorre ao imaginário da literatura de fantasia para descrever o seu desempenho: “A nova prancha é como um tapete mágico. Vai fluir através da água, tornar-se uma com o ‘chop’ da onda, vai ajudar-me a complementar essa onda e a adaptar-me a ela”.

Jorge Aguiar, da Mercedes-Benz Portugal, recorda que a marca estava ligada a McNamara desde o início do projeto de exploração do canhão da Nazaré. Nessa fase limitava-se a apoiar o surfista com uma frota de viaturas 4×4 que o ajudavam a colocar os jet-skis na água, mas então surgiu o desafio de criar um novo veículo para as ondas, com o projeto MBoard.

“Na altura todos os surfistas comentavam que as pranchas que utilizam não eram suficientemente rápidas nem flexíveis para os desafios da Nazaré e pensámos que poderíamos trazer valor acrescentado ao mundo do surf”, revela. “Fomos à Alemanha, ao centro de design da Mercedes-Benz, e colocámos o Garrett e as suas pranchas antigas nos túneis de vento que usamos para os nossos automóveis, testámos novos materiais e desenvolvemos o que seria a prancha ideal para a Nazaré”, acrescenta.

O recurso à cortiça surgiu depois, aliando a engenharia automóvel da Mercedes ao desenvolvimento tecnológico da Amorim, e agora ambas as marcas estão em fase avançada de produção das novas pranchas para a época 2015/2016.

Para Carlos de Jesus, da Corticeira Amorim, o novo formato terá grande aceitação no mercado porque “a performance técnica da cortiça natural, sobretudo ao nível da resistência e flexibilidade, é uma mais-valia importante para quem opera nos limites absolutos de um desporto como o surf”.

Garrett McNamara detém atualmente o recorde mundial da maior onda alguma vez surfada, como certificado pelo Guiness, que é a autoridade mundial no registo de recordes. Foi com as pranchas desenhadas pela Mercedes-Benz que em 2013 surfou as ondas gigantes da Nazaré, a 62,4 quilómetros por hora.

O desempenho das peças entretanto criadas no âmbito da parceria entre a Mercedes e a Amorim agradou de tal forma ao surfista que, segundo fonte do projeto, “as expectativas de Garrett McNamara são de, no futuro, vir a usar unicamente pranchas de cortiça”.