O ministro das Finanças holandês, Jeroen Dijsselboem, foi reeleito para um segundo mandato à frente do Eurogrupo, órgão que reúne os ministro das finanças dos países da zona euro.

O anúncio foi feito horas depois de ter sido revelado o acordo para manter a Grécia no euro. A eleição realizou-se esta segunda-feira à tarde no reunião do Eurogrupo. Dijsselbloem vai desempenhar um mandato de dois anos e meio.

A votação foi secreta, mas a ministra das Finanças portuguesa revelou ter votado em Luis de Guindos, o ministro espanhol com quem tem uma boa relação e que estava também na corrida à liderança dos países da zona euro. Maria Luís Albuquerque sublinhou contudo “a grande qualidade” do trabalho desenvolvido pelo colega holandês.

O ministro das Finanças espanhol não disse quantos votos recebeu na eleição para liderar o Eurogrupo, afirmando saber quem o apoio. Para Guindos, a Espanha merece ter uma maior representação do que a atual.

O ministro das finanças holandês chegou à liderança dos países da zona euro em 2013, quando sucedeu a Jean-Claude Juncker, que lidera hoje a Comissão Europeia.