É um valor máximo face aos últimos dois anos. Foram constituídas 21.094 novas empresas em Portugal nos primeiros seis meses de 2015, mais 11,9% do que em igual período de 2014 e mais 6,8% do que em 2013, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pela Ignios, empresa especialista em soluções integradas e personalizadas de gestão de risco.

São “dados bastante animadores e que estão em linha com a própria evolução da economia, que no primeiro trimestre revelou também a maior taxa de crescimento desde final de 2013. Podemos assim antecipar um ano positivo para o setor empresarial português”, diz António Monteiro, presidente da Ignios.

O setor que representa a maior fatia de mercado (40,7%) também é dos que mais cresce. Nos primeiros seis meses de 2015, foram criadas 8.579 empresas na categoria “outros serviços”, mais 14,6% do que em igual período de 2014.

O setor que se segue é o de hotelaria e restauração: cresceu 18,8% para 2.491 empresas. A merecer destaque está também a agricultura, que cresceu 16,1% para 1.153 novas empresas, o comércio a retalho (mais 10,1% para 2.624 novas entidades) e o comércio de veículos, que cresceu 20,1% para 753 empresas.

Lisboa é a cidade onde se fundaram mais empresas (28%), mas com uma ligeira quebra face ao ano passado. Em 2014, a capital era responsável por 29,3% das novas constituições. Seguem-se as cidades do Porto (18,5%), Braga (8,2%), Setúbal (6,2%) e Aveiro (5,9%), mas apenas Aveiro subiu face a 2014.

Além de Aveiro, a Ignios destaca o distrito de Leiria, que cresceu 0,5 pontos percentuais e pesa agora 4,3%, e o de Coimbra, que cresceu 0,2 pontos percentuais para 3,5%.

Construtoras são as empresas que mais vão à falência

O número de insolvências manteve-se quase em linha com o que foi registado nos primeiros semestres de 2014 e de 2013: foram declaradas insolventes 4.147 entidades, mais 23 do que em igual período do ano passado, e menos 27 do que no primeiro semestre de 2013. Depois de ter estado a crescer consecutivamente entre 2008 e 2013, a tendência parece ser agora de estagnação.

O maior número de insolvências ocorreu no setor da construção, mas que ainda assim registou melhor desempenho do que no ano anterior: nos primeiros seis meses do ano faliram 725 empresas, menos 3,8% do que no primeiro semestre de 2014.

O comércio por grosso e a retalho também viu o número de insolvências diminuir 4,7% e 1,6%, respetivamente. Nos primeiros seis meses do ano, 485 empresas declararam falência. Mas o setor do vestuário ganhou terreno: 164 empresas declaram-se insolventes, mais 26,2% do que em igual período do ano anterior.

No primeiro semestre do ano, 544 empresas bracarenses declararam falência, mais 21,5% do que em igual período do ano anterior – Braga é o distrito com maior exposição à indústria têxtil. Na capital, o número também cresceu: faliram 972 negócios, mais 3,5% do que em 2014. E em Setúbal também: 280 empresas fecharam portas, mais 5,7% no ano anterior.

No Porto e em Aveiro, os dados são animadores: menos 15,5% de insolvências na Invicta, num total de 805 empresas. E menos 0,3% em Aveiro: 315 empresas declararam-se insolventes. Mais a Sul, em Faro, a queda foi mais abrupta: faliram 112 empresas, menos 25% do que em 2014.