O indicador de atividade económica quebrou em julho a tendência de melhoria verificada desde o final do ano passado, estabilizando, tal como o indicador do consumo privado, que terminou com a trajetória ligeiramente descendente verificada desde meados de 2014.

Segundo os dados divulgados pelo Banco de Portugal, o indicador coincidente mensal para a evolução homóloga da atividade económica manteve-se nos 0,7% em junho, um registo igual ao apurado em maio.

Numa análise do acumulado do trimestre terminado em junho, o indicador da atividade económica fixou-se nos 0,6%.

Relativamente ao indicador coincidente mensal para a evolução homóloga do consumo privado, em junho, o mesmo manteve-se nos 1,7%.

Considerando o trimestre terminado em junho, o indicador do consumo privado baixou de 1,8% para 1,7%.

Os indicadores coincidentes são indicadores compósitos que procuram captar a evolução subjacente da variação homóloga do respetivo agregado macroeconómico, apresentando assim “um perfil mais alisado” e não se destinando a refletir em cada momento do tempo a evolução da taxa de variação homóloga do respetivo agregado de Contas Nacionais.