Nunca fez nenhuma intervenção no plenário mas faz parte do grupo de cinco deputados (de um total de mais de 500) que fizeram o pleno na atual legislatura no Brasil. Francisco Everardo Oliveira Silva, mais conhecido por Tiririca, esteve presente em todas as 393 sessões plenárias realizadas no Parlamento brasileiro nos últimos quatro anos, entre fevereiro de 2011 e dezembro de 2014. Além de deputado, Tiririca é comediante e palhaço de profissão – o primeiro palhaço, aliás, a conquistar um lugar parlamentar.

São 513 os deputados que se sentam na Câmara dos Deputados no Brasil, e dessas largas centenas apenas cinco se podem orgulhar de não ter perdido pitada do que se passou na última legislatura, não tendo faltado uma única vez: Carlos Manato (SD-ES), Lincoln Portela (PR-MG), Pedro Chaves (PMDB-GO), Reguffe (PDT-DF) e Tiririca (PR-SP). O levantamento dos dados foi feito pelo Congresso em Foco, que desde 2005 se dedica a dar conta da assiduidade dos deputados para uma maior transparência sobre a prestação dos deputados eleitos pelos brasileiros.

Apesar da assiduidade, o cantor e humorista, contudo, não tem qualquer registo de intervenções no plenário do Parlamento. De acordo com a imprensa brasileira, neste que foi o seu primeiro mandato Tiririca apresentou oito projetos de lei, mas quase todos (seis) relacionados com a classe circense e os seus direitos.

Palhaço profissional, Tiririca filiou-se no Partido da República e em 2011 foi pela primeira vez eleito deputado federal pelo círculo de São Paulo, tendo sido o segundo deputado mais votado na história do Brasil.

E em Portugal, quem é o Tiririca? Os balanços dos deputados mais e menos faltosos nesta legislatura também já foram feitos em Portugal e já há um pódio: Pedro Filipe Soares, líder parlamentar do Bloco de Esquerda, a par do deputado do PSD Carlos Santos Silva foram os únicos do total de 231 deputados portugueses que nunca faltaram a nenhuma sessão plenária. Por outro lado, o deputado socialista João Soares, a par dos sociais-democratas Mota Amaral e Carlos Páscoa (eleito pelo círculo da emigração fora da Europa) são os campeões entre os mais faltosos – sendo que a grande maioria das faltas são justificadas e por motivos de missões parlamentares.

Os deputados portugueses com mais faltas injustificadas são mesmo o centrista Telmo Correia e o socialista João Soares.