Tecnologia

A Primeira Ciberguerra Mundial já começou. E pode vê-la aqui

1.812

Não é ficção científica, mas sim uma realidade que muitos desconhecem. A Ciberguerra Mundial existe. E há uma forma de a ver.

Norse Corp. / GIF de Andreia Reisinho Costa

Enquanto lê este artigo, há milhares de ataques informáticos em curso. Mas para a maioria das pessoas, a guerra cibernética é coisa dos filmes de ficção científica. Essa guerra existe. É real.

Não acredita? E se pudesse vê-la?

A Norse Corp. é uma companhia que monitoriza a ciberguerra e dá informação sobre ela. Tem uma rede de sensores espalhados por todo mundo, que registam a ocorrência de ataques informáticos. Com esses dados, a empresa criou um mapa que mostra os ataques a decorrer no momento, em tempo real.

Ao abrir o Norse Attack Map, a primeira coisa que verá são as dezenas de linhas coloridas que, segundo a segundo, ligam dois pontos diferentes no mundo. Cada linha representa um ataque informático e cada cor indica o seu tipo. No entanto, o mapa mostra apenas uma pequena percentagem dos ataques, pois seria impossível para a empresa monitorizar todos os dispositivos do mundo ligados à internet.

Mesmo entre os milhões de ataques detetados pela rede de sensores da Norse, a quantidade representada no mapa é muito inferior à real: segundo a Fast Company, o Norse Attack Map mostra apenas um em cada mil ataques informáticos registados pela rede da companhia. Ainda assim, o número de linhas coloridas entre continentes que se podem observar no mapa é superior ao número de mísseis fabricados.

Para além da visualização dos ataques, o mapa lista os países onde se localizam as principais origens e alvos dos ataques. Aparentemente, grande parte dos ataques têm origem na China e os Estados Unidos da América como alvo.

De acordo com o The Creator’s Project, a empresa esteve a desenvolver o mapa interativo ao longo dos últimos três anos. O site falou com Jeff Harrel, da Norse, que explicou que os sensores instalados pela companhia “imitam os alvos preferidos dos atacantes, tais como caixas multibanco, smartphones, PC’s ou computadores Mac, atraindo assim os ataques.”

A rede possui mais de oito milhões de sensores em meia centena de países, a cargo dos 50 engenheiros envolvidos no projeto. Estas pessoas são responsáveis pela manutenção da plataforma, que tem de ser “constantemente atualizada” para a tornar cada vez mais precisa na deteção dos ataques, disse Harrel.

(Editado por Diogo Queiroz de Andrade)

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)