Ansiedade, irritabilidade, insónias, dores de cabeça e falta de apetite. Estes eram alguns dos sintomas das mulheres diagnosticadas com histeria no século XIX. Uma doença que os profissionais acreditavam ser causada por deslocamentos no útero e que só tinha um tratamento: uma massagem no clitóris até as pacientes chegarem ao “paroxismo histérico”, isto é, ao orgasmo.

O distúrbio era comum ao ponto de as mulheres encherem os consultórios e os médicos começarem a ter uma lesão por estarem sempre a repetir um esforço “aborrecido, chato e fisicamente exigente”, explica Chris Wild num artigo publicado no Mashable. Assim surgiu o primeiro vibrador a vapor. Chamava-se “The Manipulator” e foi criado pelo médico George Taylor em 1869 para… conseguir descansar as mãos e atender mais clientes.

L0051766 Demonstration using the vibrator Credit: Wellcome Library, London. Wellcome Images images@wellcome.ac.uk http://wellcomeimages.org Demonstration using the vibrator 1891 A description of the vibrator (Engl. pat. 1890. No.4390.) and directions for use / C. H. Liedbeck Published: 1891. Copyrighted work available under Creative Commons Attribution only licence CC BY 4.0 http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Em 1880, o médico inglês Joseph Mortimer Granville inventou o vibrador movido à manivela. (Foto: Wellcome Library, London)

O instrumento popularizou-se e, entre gritos e gemidos, nasceu o vibrador movido à manivela e, mais tarde, a eletricidade. No fim de cada sessão, as mulheres ficavam mais relaxadas e os sintomas desapareciam por um curto período de tempo. Quando os vibradores passaram dos consultórios para as gavetas das pacientes, rapidamente surgiram anúncios a vários modelos com diferentes preços e velocidades. Todos a prometerem “saúde e beleza”.

L0034214 Illustration showing various instruments Credit: Wellcome Library, London. Wellcome Images images@wellcome.ac.uk http://wellcomeimages.org Illustration showing various instruments used in vibratory massage. Round or square Concussor Plates, Concussor Rollers, Balls and Discs, Roller with rotating cylinders and ebonite, Rotating hammers and Centrifugal Vibrator Illustration Lectures on Massage & Elecricity in the Treatment of Disease Thomas Stretch Dowse Published: 1906 Copyrighted work available under Creative Commons Attribution only licence CC BY 4.0 http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/

Para além de várias formas e tamanhos, os vibradores passaram a ter vários tipos de preços e velocidades. (Foto: Wellcome Library, London)

Só em 1952 é que a classificação do termo “histeria” deixou de ser associada aos sintomas do desejo feminino e passou a definir um transtorno dissociativo. O vibrador passou então a ser visto como um aparelho vibratório usado para produzir estímulos sexuais em vez de um instrumento para fins terapêuticos.

Contudo, não foi preciso muito tempo até a pornografia atribuir uma conotação negativa ao uso do aparelho. Os comerciantes começaram a usar formas discretas para anunciar os seus vibradores: desde massajadores para o pescoço até vibradores faciais que vinham em caixas de eletrodomésticos.

Sex-toys

“Vibratory: Massage at Home” era um anúncio de um vibrador em 1910. (Foto: Internet Archive/Flickr Commons)

Foi só graças à revolução sexual feminina da década de 60 que o vibrador passou a ser aceite como um acessório para auxiliar no prazer e satisfazer os desejos sexuais. Em fotogaleria recordamos alguns dos anúncios mais marcantes da história da invenção do vibrador.

Texto editado por Ana Dias Ferreira.