O Governo brasileiro anunciou, na noite de quarta-feira, uma redução das previsões do excedente orçamental para 8,75 mil milhões de reais (2,48 mil milhões de euros), em 2015, o equivalente a 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB).

Os novos valores devem-se sobretudo à queda das receitas fiscais e substituem uma previsão anterior de 66,3 mil milhões de reais (18,83 mil milhões de euros), correspondentes a 1,19% do PIB, como excedente para o ano em curso.

O anúncio, feito pelos ministros brasileiros da Fazenda (Finanças), Joaquim Levy, e do Planeamento, Nelson Barbosa, lida com a expectativa de uma receita fiscal global de 775 mil milhões de reais (cerca de 221 mil milhões de euros), em 2015, cem mil milhões (28,6 mil milhões de euros) abaixo do esperado.

Os ministros apontaram ainda uma previsão de receitas fiscais, em 2016, de 0,7% do PIB e, em 2017, de 1,3%, quando a meta anterior era, para cada um dos próximos dois anos, de 2% do PIB, valor que só deverá ser alcançado em 2018.

O Governo brasileiro também reviu em baixa o PIB, para este ano, passando de uma estimativa de queda de 1,20% para menos 1,49%.

O novo cenário do Governo brasileiro, que vai ser agora encaminhada para o Congresso, estabelece ainda um corte no orçamento deste ano de 8,6 mil milhões de reais (2,46 mil milhões de euros).

A estimativa da inflação, em 2015, passou de 8,26% para 9,0%, segundo os números apresentados esta noite, em Brasília.