O Pentágono pediu, na sexta-feira, aos cidadãos norte-americanos armados que não guardem os gabinetes de recrutamento do exército, garantindo que é capaz de assegurar a segurança, após tiroteios.

Impulsionados por tiroteios em instalações do exército nos Estados Unidos, cidadãos norte-americanos têm-se deslocado aos gabinetes de recrutamento para os guardar com revólveres e espingardas.

O porta-voz do Pentágono, Peter Cook, disse que o Departamento de Defesa aprecia “a inundação de apoio” que recebeu, mas alertou que os voluntários podem acabar por causar mais dano do que ajudar.

“Pedimos que indivíduos não guardem os gabinetes de recrutamento, já que pode ter impacto adverso na nossa missão e potencialmente criar riscos indesejados”, disse Cook.

Na quinta-feira, um civil armado que guardava um centro em Ohio disparou acidentalmente a sua espingarda, noticiou o The Columbus Dispatch.

Na semana passada, um homem armado de 24 anos abriu fogo em dois centros do exército em Tennessee, matando quatro fuzileiros e um marinheiro.