O ex-presidente do BES Ricardo Salgado está proibido de sair de casa sem autorização do juiz, mas também não pode contactar com os restantes arguidos no processo e fica sob vigilância da PSP para garantir que as medidas de coação são respeitadas. Juiz Carlos Alexandre entendeu que havia perigo de fuga, de perturbação do inquérito e de destruição de provas.

De acordo com um comunicado enviado há momentos pela Procuradoria-Geral da República, Ricardo Salgado foi constituído arguido por suspeita de burla qualificada, falsificação de documentos, falsificação informática, fraude fiscal, branqueamento e corrupção no setor privado.

Ricardo Salgado não está no entanto sujeito a pulseira eletrónica, com a vigilância a ser feita diretamente por agentes da PSP no local.

O ex-presidente do BES foi inquirido na sexta-feira pelo juiz Carlos Alexandre e já tinha sido interrogado e constituído arguido pelo Ministério Público na segunda-feira, no âmbito da investigação “Universo Espírito Santo”, segundo um comunicado da Procuradoria-Geral da República (PGR), enviado à agência Lusa.

Segundo a mesma nota, no âmbito da investigação, “foram constituídos seis arguidos”, estando “em causa a suspeita da prática de crimes de falsificação, falsificação informática, burla qualificada, abuso de confiança, fraude fiscal, corrupção no setor privado e branqueamento de capitais”.