Futuro da Grécia

Governo: Austeridade é má, falência seria muito pior

1.588

Responsável do Governo grego diz que o acordo com os credores foi o possível e que as consequências da falência seriam muito piores que qualquer medida de austeridade.

AFP/Getty Images

A Grécia não tinha alternativa a aceitar o acordo proposto pelos credores, diz o Governo grego, que sublinha agora que a austeridade pode ser má, especialmente para um partido como Syriza, mas que a falência do país seria muito pior.

Numa entrevista à rádio canadiana CBC, o líder da comunicação do Governo grego, responsável por explicar o acordo aos cidadãos, admite que o país não tinha alternativas após o referendo e que teve de aceitar o acordo que lhes foi proposto.

“Não tínhamos alternativa, porque a falência é um cenário muito pior que qualquer tipo de austeridade”, afirmou Lefteris Kretsos, que diz entender que muitos cidadãos gregos estejam desiludidos ou se sintam traídos pelo Syriza: “O acordo não é bom para um partido anti austeridade como o Syriza, mas foi o melhor que conseguimos”.

Não aceitar as medidas que os credores impuseram, diz, significaria que a Grécia teria de sair da zona euro, que entraria em falência e que o futuro seria ainda mais negro.

O responsável governamental diz que para as coisas serem diferentes seria necessário que a Grécia tivesse uma administração pública eficiente e eficaz a lidar com situações de emergência, que o povo grego fosse informado sobre o que significa mudar de moeda, que os bancos gregos tivessem reservas suficientes para sobreviverem e que a Grécia tivesse apoio de outros blocos económicos e países, caso decidisse regressar ao dracma.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)