Não vale a pensa negar: já todos sabemos que estamos sempre ligados aos aparelhos digitais, que os levamos para todo o lado e que não os deixamos descansar. Comunicamos por fotografias, damos opiniões por hashtags, partilhamos felicidade por likes. O que começou por ser uma novidade tornou-se um hábito, uma necessidade e agora é um vício. As férias são a altura ideal para não tocarmos nas redes sociais ou no e-mail, mas será que conseguimos passar uma semana sem tocarmos nos nossos aparelhos digitais? A tarefa parece de tal forma engenhosa e difícil que merece um guia de preparação. Partindo de um artigo do Huffington Post, contamos os passos mais importantes:

Tal como quando falamos de uma dependência, o primeiro passo é admitir e medir o grau de ligação que temos aos aparelhos. Ficamos ansiosos sempre que o telemóvel vibra? Dormimos com o telemóvel ao lado? Não nos lembramos do último dia em que não tocámos uma única vez no telemóvel? Primeiro temos de analisar a quantidade de tempo que dispensamos com o mundo digital.

Depois, há que anunciar à família e aos amigos que vamos tirar uns dias livres do mundo online. É importante que as pessoas próximas de nós saibam do desafio a que nos propusemos para nos ajudarem a consegui-lo. Mais: podemos anunciar no Facebook ou no Twitter que vamos estar uns dias fora das redes sociais, ou até enviar um e-mail aos colegas de trabalho a explicarmos que só vamos responder mais tarde. Assim quem não nos conhece não vai estranhar a nossa ausência digital e nós vamos ficar mais relaxados porque já tratámos de avisar toda a gente.

Se vamos fazer uma desintoxicação digital, vão sobrar-nos horas do dia para ocupar. É tempo de fazer aquelas coisas que dizemos sempre que não temos tempo para fazer: um atividade física que queríamos aprender mas não tínhamos tempo, um par de livros que queríamos ler, uma série que queríamos ver. Isto leva-nos para outro objetivo: refletir bem sobre o que queremos retirar desta experiência. “Tal como quem começa a fazer yoga tem de pensar no que quer obter daquela experiência, ou tal como os praticantes de meditação definem sempre de manhã um objetivo para aquele dia”, temos de saber exatamente o que queremos perceber e fazer depois desta experiência.

O último passo é talvez o mais importante: acreditar, não desistir e usufruir da liberdade. E não colocar uma fotografia no Instagram a meditar.