A Casa Branca condenou hoje o atentado com viatura armadilhada em Mogadíscio, perpetrado pelos rebeldes ‘shebab’ da Somália, que causou seis mortos. “Os Estados Unidos condenam firmemente o atentado odioso em Mogadíscio, na Somália, que visou intencionalmente e cruelmente civis inocentes”, declarou o porta-voz do conselho de segurança norte-americano, Ned Price, em comunicado.

“Apesar dos progressos reais da Somália nos últimos anos, este ataque recorda as atrocidades inadmissíveis que os grupos terroristas continuam a perpetrar contra o povo somali”, acrescentou. “Os Estados Unidos mantêm-se inabaláveis na vontade de trabalhar com as autoridades somalis, nossos parceiros regionais e toda a comunidade internacional para pôr fim aos atos de terrorismo e para combater o extremismo violento na Somália”, sublinhou Ned Price.

A reação da Casa Branca foi divulgada pouco depois de o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ter partido do Quénia para a Etiópia, países vizinhos da Somália. No sábado, Obama tinha afirmado que as redes dos rebeldes ‘shebab’, aliadas da Al-Qaida, estavam enfraquecidas na África Oriental, mas que os riscos ligados à sua presença persistiam na região.

O atentado contra um hotel em Mogadíscio, no qual morreram pelo menos seis pessoas, ocorreu quando Obama partia do Quénia para a Etiópia. Estes dois países são dos maiores contribuidores para as forças da União Africana na Somália (Amisom) para combater os ‘shebab’, que pretendem derrubar o governo somali apoiado pelo Ocidente e protegido pelos 22 mil homens da Amisom.