Tire uns segundos e imagine isto. Está dentro de uma casa, sentado no sofá, o sono prega-lhe uma partida e adormece. Quando acorda da sesta, as janelas da habitação dão-lhe uma vista diferente porque, durante as horas que o sono lhe roubou, a casa mexeu-se. Agora saiba que não precisa de mergulhar num sonho para que tal aconteça: um arquiteto português criou um modelo de casa que roda em função da exposição solar que recebe. O projeto chama-se “Casas em Movimento”, a obra é de Manuel Vieira Lopes e uma casa-modelo está a ser exibida, no Porto, até setembro.

Na cabeça do arquiteto sempre esteve a intenção de construir uma casa inovadora, autossustentável e ecológica. Para o conseguir, Vieira Lopes criou uma habitação que, além de girar sobre o próprio eixo, está equipada com uma pala, também ela movível, revestida por painéis fotovoltaicos, capazes de produzir cerca de 25 mil kilowatts por hora (kWh) de energia por ano. Tudo é feito em função da exposição solar. “É uma casa fixa dentro de uma casa roda”, começou por explicar o arquiteto, ao Observador. “Como tem o elemento fixo, permite que, rodando em torno desse elemento, possamos criar espaços em função do sol”, acrescenta. Em 2014, a casa recebeu uma menção honrosa e um prémio de 100 mil euros no Solar Decathlon Europe, uma competição para projetos que concebam casas alimentadas, exclusivamente, por energia solar.

Confuso? Talvez. Mas o facto de a casa girar, garante o arquiteto, é quase impercetível para quem lá esteja dentro. “A dimensão dos espaços vai-se alterando à velocidade da terra, não é desconfortável”, assegurou. Manuel Vieira Lopes, aliás, ficou “bastante agradado” por, no Porto, aquando da apresentação do projeto, “as pessoas não terem reparado” que a casa se estava a movimentar. “Nem mesmo quando acelerámos o processo para demonstrar o movimento que a casa faria em 12 horas de um dia”, explicou.

Também a pala que cobre a casa se movimenta de acordo com a luz solar. “Os painéis são utilizados para climatizar a casa, criar espaços e até criar um terraço sombreado”, disse o arquiteto, ao retratar como a pala pode, ao longo do dia, inventar “espaços exteriores cobertos” em torno da casa. Depois há o lado ecológico da habitação: além de produzirem energia para alimentar a casa, os painéis fotovoltaicos fazem com que, num ano, a emissão de dióxido de carbono fique entre as 17 e as 33 toneladas.

Casa2

Exemplos de como a casa, e a pala, se mexem ao longo do dia, de acordo com a exposição solar. Foto: Manuel Vieira Lopes

Este modelo de casa até está idealizada para produzir mais energia do que necessita. Algo que, segundo Manuel Vieira Lopes, terá levado Siza Vieira, um dos mais reputados arquitetos portugueses, a dizer-lhe que “este módulo pode ser construído num edifício histórico e alimentar a edificação existente”.

As divisões mutáveis ao gosto do utilizador

No interior, a casa está idealizada para conter materiais e mobília de origem nacional, como a madeira e a cortiça. E lá dentro tudo também muda, já que o tamanho das divisões da casa são personalizáveis, consoante a vontade de quem lá habita. “A cozinha, de manhã, terá 15 m2, por exemplo, e à hora do jantar poderá ter o dobro. O dono comunica com a casa e diz-lhe para, à hora x, o espaço y ser maior de acordo com a utilidade que terá”, explicou Vieira Lopes.

Ou seja, as paredes, no interior, também se vão mexer e mover-se segundo a vontade do utilizador. Lá dentro, a casa não conta com qualquer “elemento mecânico” para a climatizar, já que “a casa adapta-se ao utilizador enquanto poupa energia e a produz”. Por outras palavras, todos os movimentos, rotações e mexidas que a casa executa em função da exposição solar estão pensadas, igualmente, para controlar a temperatura interior.

E para ter tudo isto, quanto terá de pagar? Qualquer coisa coisa como 500 mil euros, se a casa contar “com todos os elementos”. A casa-modelo deste projeto estará exposta até 31 de agosto no Porto, junto ao Edifício Transparente. Depois, a partir de 1 de setembro, estará na Avenida dos Aliados, no âmbito da parceria Porto Inovation Hub-Casas em Movimento. Em comunicado, a Casas em Movimento não adiantou até quando a casa-modelo ficará na cidade.