Pedro Passos Coelho só estará disponível para fazer um frente a frente televisivo com António Costa sobre as eleições legislativas. Já António Costa não aceita debater quer com Paulo Portas, quer com Heloísa Apolónia. Foi o impasse esta terça-feira, na reunião entre partidos e os três canais de televisão, tendo ficado marcada nova ronda para sexta-feira.

Ainda não ficou fechado qualquer modelo de debates. Há quatro anos, nas legislativas de 2011 só houve um frente a frente televisivo entre José Sócrates e Pedro Passos Coelho. A nova lei relativa à cobertura da campanha eleitoral está a levar a negociações complexas entre os vários partidos que se candidatam e já têm assento parlamentar, como estipula o diploma aprovado por Aníbal Cavaco Silva. O Partido Socialista defende que, como a lei fala em candidaturas, a coligação PSD/CDS-PP deve ser representada apenas por uma pessoa nos debates.

A coligação defende, por seu lado, que tanto Passos Coelho como Paulo Portas devem ter lugar no debate. Ao que Heloísa Apolónia, dos Verdes, garante, então, que também quererá acompanhar Jerónimo de Sousa, líder do Partido Comunista Português (PCP), para que este não seja o único representante da CDU.

Essa posição de Heloísa Apolónia já tinha sido descrita pelo Observador na sexta-feira. “Independentemente do critério que seja encontrado as duas forças [Verdes e CDS] têm que ter os mesmos direitos. Estão em igualdade de circunstâncias”, afirmou a deputada Heloísa Apolónia.

A proposta original das três televisões é a de realização de três duelos Passos/Costa, um debate com todos, e os duelos cruzados que as candidaturas aceitarem fazer. Uma vez que só quer um duelo, em nome da equidade de candidaturas, o PSD propôs que fosse maior do que o inicialmente pensado pelas televisões.

Em nota à comunicação social, o gabinete de imprensa do PSD afirma que “a coligação já aceitou a realização de três debates em que o dr. Pedro Passos Coelho e o dr. António Costa estarão presentes, sendo que dois destes debates (um com as três rádios e outro nas televisões) apenas com estes dois intervenientes e o terceiro (nas televisões) com a participação de todos os presidentes de partidos com assento parlamentar”.