437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Daqui a sete anos, a Índia terá mais pessoas que a China

Este artigo tem mais de 5 anos

As Nações Unidas estimam que, em 2030, existirão cerca de 8,5 mil milhões de pessoas na Terra. A entidade também calcula que antes, lá para 2022, a Índia ultrapassará a China no número de habitantes.

A ONU estima que na entrada para o próximo século, em 2100, existam cerca de 11 mil milhões de pessoas no mundo
i

A ONU estima que na entrada para o próximo século, em 2100, existam cerca de 11 mil milhões de pessoas no mundo

ROBERTO SCHMIDT/AFP/Getty Images

A ONU estima que na entrada para o próximo século, em 2100, existam cerca de 11 mil milhões de pessoas no mundo

ROBERTO SCHMIDT/AFP/Getty Images

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há anos que a Índia e a China mantêm uma luta a dois, numa espécie de jogo que, se tivesse um nome, seria “Quem tem mais habitantes?”. A China há muito que o ganha, mas a Organização das Nações Unidas prevê que a Índia demore menos de 10 anos a tornar-se no país com mais habitantes no planeta — deverá acontecer em 2022. Hoje, diz a ONU, é nestes dois países onde habitam 37% das cerca de 7,3 mil milhões pessoas que existem no mundo (19% são chineses e 18% são indianos). Mas este número não vai parar de aumentar até 2050.

Assim o prevê a entidade, que esta quarta-feira divulgou o “Revision of World Population Prospects”, relatório que compilou os resultados do 24.º estudo demográfico mundial realizado pelas Nações Unidas. E além de contabilizar o número de habitantes do planeta, o relatório serve para prever o que sucederá caso a demografia continue a dar pulos a este ritmo. As previsões apontam para que, em 2030, existam 8,5 mil milhões de pessoas na Terra. Em 2050 o número aumentará para os 9,7 mil milhões e, na entrada do próximo século, em 2100, a ONU espera que o mundo atinja os 100 mil milhões de habitantes.

Os 10 países com maior número de habitantes no mundo | Create infographics

Agora, em 2015, tanto a China como a Índia são os dois países do mundo onde habitam mais de um milhar de milhão de pessoas — 1.376,049 no primeiro país, 1.311,051 no segundo. O terceiro país com maior número de habitantes neste momento são os EUA, com 321,774 milhões de pessoas. E também aqui a ONU espera ver uma novidade em 2022: a Nigéria. Aí deverá substituir a nação, hoje presidida por Barack Obama, no pódio deste ranking demográfico. O país africano tem atualmente a sétima população mais vasta no planeta.

É a África, aliás, que as Nações Unidas confiam grande parte da responsabilidade pelo boom populacional estimado para os próximos anos. “A maioria do aumento projetado na população mundial pode ser atribuído a uma pequena lista de países com elevada [taxa de] fertilidade, sobretudo em África”, lê-se, na versão resumida do relatório. Até 2050, a ONU antevê que metade do aumento populacional se concentre num grupo de nove países — Índia, Nigéria, Paquistão, República Democrática do Congo, Etiópia, Tanzânia, EUA, Indonésia e Uganda.

Desse grupo de nações, três (Nigéria, Paquistão e Indonésia) deverão juntar-se, em 2050, à Índia, à China e aos EUA como os países onde habitam mais de 300 milhões de pessoas. Embora sem indicar um ano em concreto, a ONU estima igualmente que a Europa venha a ser o continente com a população mais envelhecida, ou seja, com o maior número de pessoas com idade superior a 60 anos.

Documentos

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.