O grupo Naspers, que detém marcas como a OLX, Standvirtual e Imovirtual, quer criar um centro tecnológico em Portugal para desenvolver os portais de classificados que detém no mundo. Para isso, iniciou um processo de recrutamento de 45 engenheiros informáticos nas áreas de Mobile e Internet.

O objetivo do centro é dar apoio ao desenvolvimento dos projetos internacionais da OLX e da Naspers Classifieds. E Portugal foi o mercado escolhido pelo reconhecimento da “competência técnica” que existe no país e pelo conhecimento que a FixeAds (participada do grupo que atua em Portugal) detém do mercado de classificados, diz a empresa em comunicado.

“Portugal tem todas as competências técnicas e logísticas para ser base de desenvolvimento futuro da indústria de serviços de Internet em todo o mundo. Neste contexto, queremos construir um dos polos técnicos mais avançados do mundo na indústria de classificados e e-commerce, com impacto visível para a economia e emprego em Portugal e que possa assegurar o crescimento futuro de todos os sites mundiais do OLX bem como de outros do grupo”, diz Miguel Mascarenhas, líder da área tecnológica dos classificados do grupo Naspers.

A Naspers está em Portugal através da FixeAds, que detém as aplicações dos sites de classificados OLX, Standvirtual e Imovirtual. Quem fundou a empresa foi Miguel Mascarenhas, o homem que a Naspers escolheu para liderar a área tecnológica dos classificados do grupo Naspers no  mundo.

O hub que a empresa quer criar vai ser implementado nas instalações da FixeAds, em Lisboa, que já conta com uma equipa com mais de 100 colaboradores. Já a OLX é líder mundial de classificados online e está presente em mais e 40 países, em 50 línguas diferentes.

Desemprego zero das TIC atrai outros profissionais

Os altos níveis e empregabilidade do setor das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) tem dado que falar. Várias instituições já começaram a criar apoios para ajudar desempregados a converter competências noutras áreas, como a Academia de Código, a InvestBraga ou a Alphappl, que desde 2014 já ajudou mais de 110 pessoas.

De acordo com um estudo desenvolvido pela Landing.jobs (startup especializada em recrutamento e apoio à gestão de carreiras de profissionais da área tecnológica), o desemprego não está a chegar aos chamados techies – como engenheiros informáticos ou programadores. Todos os profissionais que participaram no estudo têm emprego. Outro estudo revela ainda que 55% dos profissionais de TIC têm um vencimento mensal superior a 1.300 euros e 15% recebe mais de 1.800 euros por mês.

Há 8.100 vagas de emprego que vão ficar por preencher no final do ano em Portugal na área das TIC, de acordo com um estudo da Comissão Europeia. No total dos Estados-membros, vão ficar por preencher 913 mil vagas por preencher no setor.