Daniel Pinheiro estava de férias no Quénia. Se é que um fotógrafo pode alguma vez estar de férias. Concentrado nas imagens que captava, tanto com a máquina fotográfica como em vídeo, Daniel Pinheiro mal teve tempo para viver a emoção do momento: uma manada de elefantes que passava à sua frente, no maior santuário mundial desta espécie, o Parque Nacional Amboseli.

Corria o dia 28 de abril de 2015. Ou melhor, o início do dia. Porque para captar a fotografia que esta sexta-feira foi distinguida como “imagem do dia” pela National Geographic, Daniel Pinheiro teve de acordar cedo. “Para conseguir ter esta luz só na primeira meia hora depois do Sol nascer, por volta das 7h30-8h00”, disse ao Observador.

A fotografia distinguida como imagem do dia pela National Geographic - @ Daniel Pinheiro

A fotografia distinguida como imagem do dia pela National Geographic – @ Daniel Pinheiro

O fotógrafo, membro da plataforma Your Shot onde publicou a imagem, não se cansa de agradecer ao guia que o levou até ao local. O guia sabia que a esta hora, neste sítio, passaria uma manada de elefantes – as crias, mães, tias e avós, porque nestes grupos não entram machos adultos. Mas o feito do fotógrafo não deixa de ser notável. “Não é todos os dias que um fotógrafo português é reconhecido pela National Geographic.”

Foram rodeando os elefantes a uma distância segura até conseguirem encontrar o local perfeito, com os elefantes entre os visitantes e o monte Kilimanjaro. Na verdade, ressalva Daniel Pinheiro, na fotografia vêm-se dois países: o Quénia, onde passam os elefantes, e a Tanzânia onde está a “montanha branca” como lhe chamam os Masai.

O monte Kilimanjaro, na Tanzânia, visto do Quénia - @ Daniel Pinheiro

O monte Kilimanjaro, na Tanzânia, visto do Quénia – @ Daniel Pinheiro